A de três anos picada por um escorpião na madrugada desta segunda-feira (25) segue em estado grave e foi transferida para o Hospital Regional de Campo Grande na noite do mesmo dia. O incidente ocorreu em Ribas do Rio Pardo, que fica a 97 km de Campo Grande. Inicialmente, a criança foi levada para a Santa Casa da Capital, devido à gravidade do caso.

Conforme a prefeitura de Ribas do Rio Pardo, a criança segue em estado grave, mas está respondendo aos tratamentos. A decisão de transferi-la teve como objetivo agilizar o tratamento e evitar outra fatalidade, já que há cerca de um mês antes uma criança morreu após ser picada por um escorpião.

Abalada, a mãe da criança, Vanessa Ramirez, disse em entrevista ao Jornal Midiamax que sente que está vivendo um pesadelo, mas mantém a esperança na recuperação de sua filha.

Criança foi picada enquanto dormia

escorpião
Escorpião-amarelo tem uma serrilha na cauda. (Reprodução, Notícias do Cerrado)

O incidente ocorreu por volta da 1h da manhã, quando a mãe acordou com os gritos da filha. Ao entrar no quarto, ela encontrou o escorpião nas costas da criança. O animal foi rapidamente eliminado, e a criança foi levada ao Hospital Municipal Dr. José Maria Marques Domingues, em Ribas do Rio Pardo. Devido à gravidade da situação, ela foi transferida para a Santa Casa de Campo Grande.

Em nota, a de Ribas do Rio Pardo informou que a criança foi prontamente atendida pelos profissionais de plantão no Hospital Municipal, recebeu tratamento com soro e, posteriormente, foi transferida para Campo Grande.

A secretaria detalhou que, como é comum em picadas de escorpiões, a criança chegou ao hospital com sudorese, pele fria, apresentou sintomas como vômito, salivação excessiva, agitação, gemidos com piora progressiva, diminuição do nível de consciência e hipotermia.

Devido à idade da criança, o caso é considerado grave, mas até o momento, ela está se recuperando bem.

Prefeitura diz que mantém ações preventivas na cidade

Conforme a prefeitura de Ribas do Rio Pardo, as ações para prevenir a proliferação de escorpiões são realizadas durante todo o ano, em parceria com a vigilância sanitária e a (Secretaria Municipal de Infraestrutura).

“Há campanhas publicitárias nas rádios, sites locais, mutirões em todos os bairros semanalmente. Também fazemos a divulgação por carros de som, trabalho nas escolas e visitas em empresas e comércios em geral”, destacou a prefeitura.

Como evitar o escorpião?

Crianças são as mais vulneráveis a casos graves de picadas de escorpião (Divulgação, GOV MS)

Com o início da primavera e a atual onda de calor, Mato Grosso do Sul enfrenta a época mais propícia para o aparecimento de escorpiões. Nesse período, é comum que esses animais saiam de suas tocas, bueiros, esgotos e caixas de gordura em busca de alimentos.

“É fundamental manter o lixo sempre condicionado em recipientes fechados e armazenados em locais específicos, além de evitar o acúmulo de entulhos e manter terrenos baldios limpos. Em casa, é importante fechar ralos, tapar frestas e utilizar água sanitária nos ralos e outros locais pelos quais eles possam sair, a fim de reduzir a proliferação”, explica Alexandre, especialista em dedetização.

É importante destacar a necessidade de monitorar as crianças, pois elas são as mais vulneráveis a casos graves de picadas de escorpião. Os sintomas iniciais que podem indicar a gravidade do quadro incluem náuseas, vômitos, salivação excessiva e palidez.

Dados do Civitox MS (Centro Integrado de Vigilância Toxicológica de Mato Grosso do Sul) apontam 3.205 ataques de escorpiões em 2022, sendo 1.101 em Campo Grande.

Para orientação ou tirar dúvidas, os telefones do Civitox são (67) 3386-8655, 0800-722-6001 e 150.

Leia também:

Saiba Mais