O rio se aproxima dos 700 cm, nível da cota de emergência, devido às intensas dos últimos dias. Segundo o monitoramento do (Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), a Defesa Civil foi acionada para atenção do trecho de Miranda, a 180 quilômetros de Campo Grande.

Em comunicado, o instituto informa que a situação aumenta o risco de significativos danos materiais e à vida de moradores, principalmente ribeirinhos. A previsão do tempo ainda indica mais chuvas para as próximas horas na região, com risco de enchentes. Com a subida do rio, a água começou a invadir as lindeiras do curso hídrico.

Na terça-feira (28), moradores do distrito de Águas de Miranda, em Bonito, foram obrigados a deixar o local após alagamento em residências da região. O resgate foi feito por equipes municipais com apoio de barcos e patrolas.

Cheia em municípios

A Cedec (Coordenadoria Estadual de Defesa Civil) alerta para preocupação da cheia do rio Apa, água que banha vários municípios, inclusive a fronteira com o Paraguai.

Em razão do temporal, cidades como já decretaram situação de emergência e contabilizam os prejuízos causados pela chuva.

O meteorologista do (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima), Vinicius Sperling, ressalta que entre quarta (1º) e quinta-feira (2), foram registrados 140 mm de chuva em – onde o excesso de chuvas fez a aferição dos últimos 30 dias chegar aos 385 mm, e a dos últimos 60 marcar 678 mm acumulados.