tem atualmente 1.226 pessoas hospitalizadas por SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave), das quais 50% são crianças entre zero e nove anos. Surto de doenças respiratórias em crianças tem pressionado o sistema de saúde de Campo Grande, com situações diárias de postos lotados e demora de horas por atendimento.

“Isso não é uma condição única de Campo Grande e nem de Mato Grosso do Sul, tem acontecido no Brasil como um todo esse aumento de SRAG”, comentou a secretária-adjunta da (Secretaria Estadual de Saúde), Christine Maymone.

Diante do cenário por vezes caótico, assim como já noticiou o Jornal Midiamax, Maymone e autoridades em saúde retomam orientação para que moradores não deixem de se vacinar também contra a gripe.

“Precisamos estar atentos principalmente com as crianças e idosos. Também, fortalecer e recuperar a cultura da vacinação. Temos vacinas  e temos que compreender que a ciência vem para nos auxiliar. Durante a pandemia da covid-19 lutamos muito por evidências científicas e para que a vacina fosse criada, da mesma forma deve ser com a SRAG, que a vacina já existe há algum tempo e não precisa ter nada que impeça o morador de ir a uma unidade de saúde onde uma vacina está disponível”, acrescentou.

40% das crianças ainda não tomaram vacina contra a Covid-19

Apenas 10% da população de Mato Grosso do Sul está com esquema vacinal completo contra a Covid-19 , mas a situação se agrava entre as crianças.

Em relação as 175.731 crianças, entre 5 e 11 anos, que tomaram a primeira dose, apenas 36,2% estão protegidas com as duas doses. Segundo dados da secretaria estadual de saúde, 40% ainda não tomaram nem a primeira dose da vacina.

Vacina para gripe também não atingiu a meta

Em junho do ano passado, a campanha de vacinação contra a gripe foi encerrada em Campo Grande com menos de 40% da meta atingida. O prazo já havia sido prorrogado e o público-alvo ampliado justamente por conta da baixa adesão de moradores. 

O imunizante é alternativa para prevenção de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave.

Entre os públicos prioritários, foram vacinados apenas 38,34% do total, que representa 108.011 pessoas entre 281.732 que poderiam procurar os pontos de vacinação. Os dados refletem tanto a imunização oferecida pelo como doses válidas aplicadas pela rede particular. A meta estabelecida pelo Ministério é de 90%.

Dentre os grupos, o maior índice de vacinação foi entre trabalhadores de saúde, com 52,81% de imunização. Na sequência, professores de ensino básico e superior, com 40,77%. Os menores índices foi entre pessoas com deficiência permanente (1,32%) e forças armadas (5,55%).

Após a campanha, a vacina seguiu disponível para todos os moradores. 

SRAG em MS

Com total de 1.226 pessoas hospitalizadas no Estado, Campo Grande lidera o ranking com  658, uma incidência de 71,8 a cada 100 mil pessoas. Na sequência aparecem Corumbá com 78, Dourados com 49 e Três Lagoas 34.

Saiba Mais