Até 2024, escolas da Reme (Rede Municipal de Ensino) de Campo Grande também deverão solicitar a DVA (Declaração de Vacinação Atualizada) na hora da matrícula. Em uma resolução divulgada nesta quinta-feira (7), o Governo de determinou que os estudantes da REE (Rede Estadual de Ensino) precisarão apresentar o novo documento no ato da matrícula.

Em entrevista ao Jornal Midiamax, o secretário de saúde de Campo Grande, Sandro Benites, antecipou que a ideia foi apresentada à prefeita Adriane Lopes e deve seguir o mesmo trâmite da Rede Estadual.

“Não é só levar a carteirinha de vacinação completa, levar a carteirinha é muito pouco, é preciso exigir que esteja completa para que haja a efetivação no ato da matrícula”, destaca.

Segundo o secretário, o ideal seria que a não apresentação da declaração fosse um impeditivo para efetivação da matrícula em escolas da Capital. Mas ainda não há definição se a ausência do documento implicará em impedimento para a matrícula.

Diferente da caderneta de vacinação comum já solicitada na Rede Municipal, a DVA é um novo documento que reúne dados de vacinas atualizadas e pode ser obtido em qualquer UBS (Unidade Básica de Saúde) ou UPA (Unidade de Pronto Atendimento).

Comprovante de vacinas será exigido no dia da matrícula

aulas escolas estadual divulgação aula escola
Sala de aula da rede estadual de ensino (Divulgação, SED)

A partir desta quinta-feira (7), os estudantes das escolas estaduais de Mato Grosso do Sul deverão comprovar que suas vacinas estão em dia para efetivar a matrícula. A resolução que estabelece a apresentação da Declaração de Vacinação Atualizada foi publicada no DOE (Diário Oficial do Estado).

Essa medida visa garantir a proteção e promoção à saúde, atendendo à recomendação do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), que orientou as escolas, tanto públicas quanto privadas, a exigirem o comprovante de vacina atualizado durante as matrículas.

Diante da queda nas coberturas vacinais nos últimos cinco anos, a resolução surge como uma estratégia para ampliar a cobertura vacinal em MS, visando evitar o aumento do risco de reintrodução de doenças como sarampo, rubéola, coqueluche e poliomielite.

Na ausência do comprovante, o responsável será notificado e terá até 30 dias para solicitar o documento na UBS e entregá-lo na Unidade Educacional.

Covid-19

Vacinação infantil é desafio no Estado (Prefeitura de )

Em novembro, o (Ministério da Educação) confirmou que crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade, que estudam em uma instituição de educação infantil, deverão apresentar o comprovante de imunização contra a Covid-19 no ato da matrícula a partir de 2024.

O comprovante na carteira de vacinação entregue nas escolas será necessário após a inclusão da vacina da Covid-19 ao Calendário Nacional de Vacinação, que compõe o PNI (Plano Nacional de Imunização). A medida foi anunciada pelo Ministério da Saúde, no dia 31 de outubro.

A não apresentação do comprovante não impede a efetivação da matrícula, conforme assegura o (Estatuto da Criança e do Adolescente). No entanto, conforme legislação estadual, pais ou responsáveis que não apresentarem a carteira de vacinação atualizada podem ter que dar explicações ao Conselho Tutelar e para autoridades de saúde.

Atualize a caderneta

As vacinas de rotina assim como o imunizante contra Covid-19 seguem disponíveis no SUS (Sistema Único de Saúde) para toda a população. Os adultos maiores de 18 anos que receberam duas doses da vacina de Covid podem receber a dose de reforço da vacina bivalente.

Nas unidades de saúde, é possível fazer a atualização da caderneta de vacinação. Em Campo Grande, a vacina segue disponível em dezenas de unidades de saúde.

Clique aqui e confira todos os locais de imunização na Capital.

Saiba Mais