MPT-MS realiza visita técnica a hospitais de Campo Grande

| 12/04/2022
- 16:41
MPT-MS realiza visita técnica a hospitais de Campo Grande
Foto: Divulgação

Como previsto em atividades do movimento Abril Verde 2022, os integrantes do Grupo de Trabalho Interinstitucional da 24.ª Região realizaram visitas técnicas em cinco hospitais de Campo Grande — Regional, Universitário, Cassems, Unimed e Santa Casa — entre os dias 7 e 8 de abril. O objetivo é conscientizar gestores e profissionais da saúde acerca da importância dos registros no Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação), em casos de atendimento de acidente ou doença de trabalho.

De acordo com o MPT-MS, os dados servem para subsidiar políticas públicas, bem como, identificação da realidade epidemiológica de determinada área geográfica e indicação de riscos aos quais as pessoas ficam expostas.

Durante as visitas, o grupo de trabalho também ressaltou a importância da CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho), documento emitido pelo empregador para reconhecer um acidente típico de trabalho ou de trajeto em relação a uma doença ocupacional. Os representantes alertaram para a urgência de combate à subnotificação de acidentes de trabalho e agravos à saúde. A estimativa é de que 20% dos acidentes no meio ambiente laboral não são comunicados pelos empregadores.

“As consequências de um acidente de trabalho não são apenas individuais, mas refletem também aspectos coletivos, pois envolvem toda a sociedade, como ocorreu com o rompimento da barragem em Brumadinho”, destacou a procuradora e coordenadora regional do Codemat (Coordenadoria Nacional de Defesa do Meio Ambiente do Trabalho) no MPT, Claudia Fernanda Noriler Silva, durante visita à Associação Beneficente Santa Casa de Campo Grande.

Em 2021, Mato Grosso do Sul registrou 63 mortes por acidente de trabalho, um aumento de 27% se comparado a 2020 que notificou 46 óbitos. A categoria que mais contabilizou acidentes de trabalho no estado foi a de técnicos de enfermagem, com 582 oficiais.

Segundo Claudia Fernanda Noriler, os números revelam duas facetas. “Primeiro, que esses profissionais estão se acidentando muito, ou seja, que as medidas de saúde e segurança talvez não estejam sendo observadas, o que demanda uma maior atenção para a dinâmica da atividade com o objetivo de prevenir esses acidentes. Em segundo plano, mostra que o setor talvez esteja notificando mais, por estar mais próximo dessa questão do registro de notificações, por ter talvez mais conhecimento em relação ao assunto”, argumentou em manifestação direcionada a alguns representantes da categoria de enfermagem que compareceram ao auditório do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul.

A secretária-adjunta de Saúde do Mato Grosso do Sul afirma que é necessário atribuir significado às ações. “Nós sabemos que a lei às vezes não é cumprida porque não tem um significado. Não basta a lei existir. Não basta a portaria existir com a obrigatoriedade da notificação”.

Na oportunidade, o coordenador regional do Programa Trabalho Seguro, André Luis Nacer de Souza, também reitera a importância das notificações dos acidentes de trabalho. “Os dados constantes do Sinan são utilizados para definição de políticas públicas relacionadas à prevenção de acidentes de trabalho, além de permitir que seja avaliado o impacto das intervenções. Por isso, é importante que os estabelecimentos e os profissionais de saúde não deixem de notificar o sistema caso se deparem com doença ou acidente de trabalho”, pontua.

As visitas fazem parte das ações definidas pelo Abril Verde 2022, campanha nacional de incentivo a prevenção de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais.

Veja também

Últimas notícias