Só neste ano, quase 20 aves feridas com cerol precisaram de atendimento no Pantanal

Em quase 90% dos casos, as aves têm o ligamento rompido e não consegue mais voar
| 22/07/2022
- 19:09
aves asas
Animais não poderão mais voar - (Foto: Divulgação, Prefeitura de Corumbá)

Somente em 2022, um total de 19 aves feridas por linhas de pipa com cerol precisaram ser atendidos pela Fundação do Meio Ambiente do Pantanal. A média de atendimentos de aves com esse tipo de ferimento é de 3 a 4 por mês.

A diretora-presidente da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, Ana Cláudia Moreira Boabaid, a ave não consegue detectar a linha de pipa durante o voo, pois se trata de um material muito fino.

O resultado do é um corte profundo, geralmente nas asas dos animais, parecido com um corte a laser. Em quase 90% desses casos, o material atinge um ligamento da asa responsável pelo voo e, uma vez rompido, condena o animal a nunca mais voltar a voar na vida.

Quando ocorre um acidente, os animais são resgatados pelo Corpo de Bombeiro ou pela PMA (Polícia Militar Ambiental) e encaminhados para a Fundação do Meio Ambiente do Pantanal para receberem os primeiros atendimentos.

Dentre as espécies mais afetadas estão: Urubu, maritaca, arara, papagaio, piriquito e tucano. Os danos irreversíveis ou a dessa aves, causam desequilíbrio ecológico.

O uso do cerol é considerado crime penal capitulado nos artigos 129, 132 e 278 do Código Penal Brasileiro, além do artigo 37 da Lei das Contravenções Penais.

Em caso do uso do cerol por crianças ou adolescentes, estes podem ser apreendidos e encaminhados às autoridades competentes. Já o adulto que fizer uso do cerol será conduzido, junto ao material, até a autoridade judiciária, podendo até mesmo ser preso.

Veja também

Ninguém acertou o concurso 2.509 da Mega-Sena que poderá pagar R$ 27 milhões no próximo...

Últimas notícias