Na Câmara dos Deputados, líder quilombola de Mato Grosso do Sul denuncia devastação por queimadas

Durante sua fala, Leonida contou que a comunidade pantaneira de Barra de São Lourenço foi devastada pelo ataque de uma queimada
| 20/05/2022
- 10:30
Na Câmara dos Deputados, líder quilombola de Mato Grosso do Sul denuncia devastação por queimadas
Leonida Aires (Foto: Arquivo Pessoal) - queimadas

A líder quilombola de Mato Grosso do Sul, Leonida Aires, junto de outras lideranças quilombolas e indígenas, denunciaram, em audiência pública realizada pela Comissão Externa sobre as Queimadas nos Biomas Brasileiros da Câmara Federal dos Deputados, a devastação por queimadas na Amazônia, no e no .

Durante fala, Leonida contou que sua comunidade pantaneira de Barra de São Lourenço foi devastada pelo ataque de uma queimada. “Destruiu nosso modo de vida, nossa natureza, destruiu a gente de todas as formas. Por quê? Porque, hoje, nós não temos nossos frutos, nossos rios estão todos acabados, nossos peixes estão doentes.”

Coordenadora da Comissão Externa, a deputada Professora Rosa Neide (PT-MT) culpa a ganância do agronegócio que quer ocupar áreas para ampliar a fronteira agrícola do País. A parlamentar também responsabiliza o governo brasileiro. “O atual governo passa sinais invertidos, gerando uma sensação de impunidade e, até mesmo, da falta de proteção ambiental. E não raras vezes é o próprio patrocinador e estimulador da destruição.”

Representantes de entidades ligadas à defesa dos direitos dos povos indígenas e quilombolas presentes à audiência reivindicaram que o governo cumpra sua função fiscalizatória e reprima ações consideradas criminosas de garimpeiros e grileiros. Outra reivindicação é que o Congresso não crie leis em benefício apenas da mineração e do agronegócio, sem levar em conta a preservação do meio ambiente, da cultura e da vida dos povos tradicionais.

Queimadas em outras regiões

Leandro dos Santos, do Quilombo Cocalinho, que atua na divisa do Maranhão e do Piauí, acusa o agronegócio pelos incêndios florestais que têm acabado com os alimentos e até os medicamentos tradicionalmente consumidos pela comunidade há séculos. “Hoje nós não temos mais o pequi, a mangaba, nem nossas plantas medicinais para buscar no mato por conta do agro. É fogo que se alastra cada vez mais na nossa região.”

Davi Krahô, liderança indígena do Tocantins, reconheceu que seu povo manuseia o fogo. Mas nega a acusação feita pelo governo de que os índios sejam responsáveis pelas queimadas. “Não é bem assim. Nos territórios indígenas, o fogo que entra é por maldade de alguém, do cupen que a gente fala, que toca fogo em uma determinada área e invade aquele território indígena.”

Veja também

Vacina está disponível em mais de 40 unidades de saúde

Últimas notícias