No 20° dia de fechamento da fronteira com a Bolívia em Corumbá, o país vizinho decidiu reabrir por algumas horas para carros pequenos. Todos os dias, das 4h às 9h, carros de passeio estão liberados a atravessar a fronteira.

De acordo com informações do Diário Corumbaense, o presidente do Comitê Cívico Arroyo Concepción, Antonio Chávez Mercado informou que a decisão foi tomada após decisão dos Comitês cívicos. Caminhões e carretas ainda estão impedidos de atravessar a fronteira.

“Depois das 9h a fronteira volta a ser fechada e só podem cruzar a pé. Seguimos firmes no nosso propósito para que o governo entenda que nós queremos o Censo Demográfico em 2023 e não em 2024. Em 2025 é ano de eleições e não vamos aceitar”, declarou Antonio Chávez Mercado.

Pessoas com atendimento médico marcado e ambulâncias estão liberados a seguir viagem. Bolivianos brigam pela realização do Censo para melhor redistribuição de renda entre estados e municípios. Santa Cruz é uma das cidades mais afetadas e segue na linha de frente nas negociações com o Governo boliviano.

Mobilização quase se iguala a ato de 2019

Na sexta-feira (11) a greve geral pela realização do Censo completa 21 dias e se iguala ao protesto realizado em 2019. O maior do país até então, quando os bolivianos realizaram os “21 dias de Paro”, como ficou conhecida a manifestação que acabou na queda do presidente Evo Morales.

De acordo com a Receita Federal, os prejuízos chegam a 900 milhões de reais referentes aos dias de fronteira fechada. Quem mais sente o prejuízo é o lado brasileiro, pois é quem exporta mais mercadorias para o país vizinho.

A fronteira seca é a única rota de exportação dos produtos do Estado para a Bolívia. Então, entre janeiro e setembro de 2022, passaram por Corumbá 80 produtos, sendo 69 para exportação e 11 vindos de importação.

Corumbá é o 4º principal município exportador de Mato Grosso do Sul, segundo dados da Balança Comercial compilados pela Semagro (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).