Greve do INSS fecha agências em todo o país; saiba como fica atendimento em MS

Servidores reivindicam recomposição salarial, reajuste de auxílios e outros
| 28/03/2022
- 16:47
Greve do INSS fecha agências em todo o país; saiba como fica atendimento em MS
Imagem ilustrativa - (Foto: Arquivo/Midiamax)

A greve nacional dos servidores do não afetou os atendimentos em Campo Grande, nesta segunda-feira (28). Era previsto uma espécie de ‘apagão’ geral, o que não ocorreu.

De acordo com a Fenasps (Federação Nacional dos Servidores da Previdência Social), vinte estados já aderiram ao movimento e a expectativa é que esse número aumente.

Em entrevista realizada na última quinta-feira (24), o secretário-geral adjunto do Sintesep-MS (Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal), Elio de Olieira, afirmou que a paralisação ocorreria entre os dias 28 e 31 deste mês.

Nossa equipe esteve em duas agências da Capital e os atendimentos ocorreram normalmente ao longo dia, alguns servidores admitiram até mesmo desconhecer o movimento nacional.

De acordo com as entidades sindicais ao redor do país, os servidores não faziam greve há 5 anos, mas as condições de trabalho ficaram insustentáveis.

Greve do INSS no Brasil

De acordo com a CUT (Central Única dos Trabalhadores) a categoria reivindica reajuste salarial de 19,99%, revogação da Emenda do Teto dos Gastos (EC 95) e o arquivamento da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) nº 32, da reforma Administrativa, encaminhada ao pelo governo de Jair Bolsonaro (PL).

Os trabalhadores reivindicam ainda a profissionalização da Carreira do Seguro Social, a rediscussão do Programa de Gestão, a criação do Auxílio Teletrabalho, o auxílio saúde e creche, vale-alimentação, a derrubada do veto de R$ 1 bilhão no orçamento do INSS, além da preservação de agências ameaçadas de fechamento e preservação do serviço público.

A expectativa da categoria, em âmbito nacional, é de que a paralisação siga até que o governo negocie com as entidades que representam os servidores públicos federais. Além do reajuste de 19,99%, da retirada da PEC 32 e da revogação da Emenda Constitucional do Teto dos Gastos, a categoria reivindica:

  • Recomposição salarial data-base;
  • Reajuste dos auxílios alimentação, creche e saúde;
  • Reestruturação da carreira típica de estado para o seguro social;
  • Nível superior para ingresso ao cargo de técnico do Seguro Social;
  • Rediscussão dos processos de trabalho;
  • Fim dos adicionais de meta para o teletrabalho;
  • Auxílio teletrabalho para o uso de internet, energia, mobiliário e equipamentos Jornada de 30 horas semanais para o atendimento de qualidade para a população;
  • Fim da terceirização do INSS;
  • Concurso público;
  • Derrubada do veto de R$ 1 bilhão do orçamento do INSS;
  • Não ao fechamento das Agências do INSS e;
  • Defesa do direito ao atendimento presencial ao cidadão nas unidades do órgão.

Veja também

A informação foi dita nesta manhã de pela titular da Subea, Ana Cristina Camargo

Últimas notícias