A CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas de ) divulgou nota de repúdio contra a greve do em Campo Grande. A deve impactar o setor, uma vez que muitos comerciários dependem de ônibus para chegar ao trabalho. “A CDL Campo Grande repudia veementemente este movimento que perde a sua legitimidade quando não cumpre os requisitos básicos e, ao invés de atingir os empregadores, prejudica quem sustenta o transporte público campo-grandense, que é o nosso varejo”, diz a nota.

A greve dos motoristas de ônibus em Campo Grande teve como motivação o atraso no pagamento do vale que representa 40% do salário dos trabalhadores. Responsável por explorar o transporte coletivo da Capital, o comunicou aos funcionários sobre o não pagamento do vale na tarde desta segunda (20). 

Na manhã desta terça-feira (21), os terminais amanheceram fechados e os motoristas, que foram iniciar o expediente nas garagens das empresas que operam o transporte coletivo, foram dispensados do trabalho.  “Ao ouvirmos declarações de que “mesmo que se pague, hoje não tem ônibus” percebe-se que, infelizmente, os trabalhadores parecem estar sendo usados como massa de manobra, prossegue a nota da CDL.

Com a greve nos ônibus, os comércios de Campo Grande abriram as lojas com funcionários chegando atrasados. Sem transporte coletivo, o fluxo de carros de aplicativos foi intenso durante a manhã na região central de Campo Grande, deixando vários funcionários nos locais de trabalho. O comércio sentiu o impacto, abrindo as portas sem o número total dos trabalhadores que dependem de ônibus.

Greve dos motoristas de ônibus

A greve dos motoristas de ônibus em Campo Grande teve como motivação o atraso no pagamento do vale que representa 40% do salário dos trabalhadores. Responsável por explorar o transporte coletivo da Capital, o Consórcio Guaicurus comunicou aos funcionários sobre o não pagamento do vale na tarde desta segunda (20).

O fechamento das garagens, no entanto, foi deliberado pela direção do STTCU-CG (Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Coletivo e Urbano de Campo Grande) na noite desta segunda, sem realização de assembleia. Demétrio Freitas, presidente do sindicato, disse ao Jornal Midiamax que a situação “chegou no limite” e que as garagens não serão abertas nesta terça. Já a Prefeitura de Campo Grande avalia a legalidade da greve dos motoristas de ônibus do Consórcio Guaicurus.

Confira a nota na íntegra: 

Greve do transporte coletivo: mais uma vez, é o varejo quem paga a conta

O varejo campo-grandense amanheceu nesta terça-feira com uma greve do transporte coletivo sem qualquer aviso prévio, prejudicando milhares de trabalhadores, estudantes e usuários que foram pegos de surpresa nos pontos e terminais.

A CDL Campo Grande repudia veementemente este movimento que perde a sua legitimidade quando não cumpre os requisitos básicos e, ao invés de atingir os empregadores, prejudica quem sustenta o transporte público campo-grandense, que é o nosso varejo.

Em ano de eleição, onde as posições eleitoreiras se sobrepõem ao bom senso e até mesmo aos ritos legais, não há como não pensarmos que este suposto movimento grevista tem o objetivo de atingir candidatos, administrações e não a garantir direitos trabalhistas.

Ao ouvirmos declarações de que “mesmo que se pague, hoje não tem ônibus” percebe-se que, infelizmente, os trabalhadores parecem estar sendo usados como massa de manobra. Se o atual detentor da concessão de transporte público coletivo da Capital não dá conta de cumprir com suas obrigações, então que abra mão, que saia, que devolva à Prefeitura, mas não use trabalhadores para pressionar de forma imoral, e até mesmo ilegal, causando prejuízos a quem cumpre corretamente com sua parte, que são os usuários.

Os direitos dos trabalhadores precisam ser respeitados, mas também os direitos da população de ir e vir, de ter o transporte coletivo com a qualidade necessária, por isso a CDL Campo Grande solicita às autoridades, tanto do executivo, quanto do legislativo e judiciário que façam algo para proteger os cidadãos.