Nos bairros, comerciantes deixam portas abertas, mas garantem que não atendem clientes

O decreto municipal do “fecha tudo” proibiu o funcionamento de atividade não essenciais em Campo Grande durante uma semana. Apesar da fiscalização, em vários bairros é possível encontrar comércios que não se enquadram naqueles autorizados a funcionar com portas abertas. Ao serem abordados, os empresários afirmam que não recebem clientes e que só estão nos […]
| 24/03/2021
- 17:30
Nos bairros, comerciantes deixam portas abertas, mas garantem que não atendem clientes
Loja com a porta semi levantada (Foto: Leonardo de França / Jornal Midiamax) - Loja com a porta semi levantada (Foto: Leonardo de França / Jornal Midiamax)

O decreto municipal do “fecha tudo” proibiu o funcionamento de atividade não essenciais em Campo Grande durante uma semana. Apesar da fiscalização, em vários bairros é possível encontrar comércios que não se enquadram naqueles autorizados a funcionar com portas abertas. Ao serem abordados, os empresários afirmam que não recebem clientes e que só estão nos pontos comerciais para serviços internos como limpeza.

Na região do , o proprietário de uma loja de celulares e acessórios que não estava aberta, ‘somente com a porta meio levantada’, foi um dos impactados pelo último fechamento. “Perdi um ponto comercial no último fechamento, não consegui manter as contas. Sou a favor da reabertura do , o aluguel não espera”, disse Émerson Alexandre de 43 anos.

Sobre estar ou não recebendo clientes, o empresário contou que estava apenas tomando tereré na frente do seu estabelecimento, e que a porta levantada até a metade era apenas para acesso próprio.

Na avenida General Alberto Carlos, via que divide o Santa Emília do São Conrado, o proprietário de uma loja de utilidades também é contra o fechamento. “Se fosse lockdown para fechar tudo, seria a favor, só que as grandes empresas não fecham”, disse Loester catrinck de 38 anos.

Com uma grade de proteção na entrada do comércio, bloqueando a passagem, porém com as luzes do estabelecimento acessas, o proprietário explicou que não estava atendendo e abriu somente para lavar o climatizador e as portas do local.

Para o sapateiro Claudio Souza, de 43 anos, a determinação de não abrir seu negócio o frustra, principalmente porque há festas clandestinas que, apesar das fiscalizações, ocorrem na cidade e contribuem para a  disseminação do vírus.

Com parte da porta levantada, o sapateiro explicou que não estava recebendo pessoas, realizando somente trabalhados já encomendados. “Prejuízo será enorme, R$ 1 mil pela semana”, finalizou.

Veja também

Trabalhador foi resgatado com hemorragia e perda de consciência

Últimas notícias