Cotidiano

VÍDEO: Com cruzes e bandeiras, grupos fazem 3º protesto contra Bolsonaro em Campo Grande

Professores, estudantes, ciclistas – representantes de vários setores da sociedade – estão nas proximidades da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) para protestarem novamente contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), neste domingo (31). O movimento ocorre em diversas cidades do Brasil e é o terceiro fim de semana consecutivo de manifestações contrárias […]

Mayara Bueno Publicado em 31/01/2021, às 11h04 - Atualizado em 01/02/2021, às 07h29

Manifestantes na Avenida Noroeste, em Campo Grande, começam protestos contra Bolsonaro. (Foto: Leonardo de França, Jornal Midiamax).
Manifestantes na Avenida Noroeste, em Campo Grande, começam protestos contra Bolsonaro. (Foto: Leonardo de França, Jornal Midiamax). - Manifestantes na Avenida Noroeste, em Campo Grande, começam protestos contra Bolsonaro. (Foto: Leonardo de França, Jornal Midiamax).

Professores, estudantes, ciclistas – representantes de vários setores da sociedade – estão nas proximidades da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) para protestarem novamente contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), neste domingo (31). O movimento ocorre em diversas cidades do Brasil e é o terceiro fim de semana consecutivo de manifestações contrárias em todo País.

As principais pautas são impeachment, vacinação para todos, auxílio emergencial, ‘pela democracia, pela vida e pela dignidade’, conta André Lage, 47 anos, coordenador da Frente Fora Bolsonaro MS. “É uma junção de força, de movimentos, sindicatos, professores, estudantes e desempregados”.

Segundo ele, o grupo pede a apuração dos ‘mais de 60’ pedidos de impeachment apresentados à Câmara Federal e ‘engavetados pelo Rodrigo Maia’. Sobre a vacina contra o coronavírus, André cita o que chama de negligência na compra de insumos. Pauta que só engrossa os protestos contrários ao governo federal, gastos de R$ 1,8 bilhão é citado também. “No mínimo, tem que ser implantada a CPI da lambança. R$ 1,8 bilhão daria um volume fantástico de oxigênio para Manaus”.

Representando o Movimento Massa Crítica, Igor Tavares, 31 anos, é ciclista e foi até a manifestação por causa da vulnerabilidade de ciclistas, sobretudo, no contexto da aprovação da validade de 10 da CNH (Carteira Nacional de Habilitação). “Não dá pra ser ciclista e apoiar Bolsonaro. Fora a questão da saúde, é um presidente que não preza por vacinas”.

“Nós estamos representando a educação e a Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul). Este governo não está tratando como deve a saúde, precisamos de vacina para voltar às salas de aula. Pela vacinação do trabalhador e, por isso , pedindo fora desse governo, que subestima a pandemia”, afirmou José Perecin, professor de 65 anos.

A Guarda Civil está no local e o movimento começa reunir dezenas de pessoas na Avenida Noroeste. A organização do protesto afirma que há 150 veículos prontos para participar da carreata. Conta-se, pelo menos 200 pessoas, até agora.

Itinerário

Da avenida onde estão concentrados nesta manhã, os manifestantes vão para as Avenidas Manoel da Costa Lima, Ernesto Geisel, Ruas Raquel de Queiróz, da Divisão e encerram no Bairro Paraty.

Jornal Midiamax