Cotidiano

Após alerta local, SES também chama atenção surto da doença "mão-pé-boca" em MS

Depois de alerta em unidade de saúde em Campo Grande, Saúde reforça que doença pode se manifestar em até 7 dias e transmitir até 4 semanas após recuperação

Lucas Mamédio Publicado em 25/11/2021, às 18h29

None
(Foto: Divulgação)

A Secretaria de Estado de Saúde divulgou um alerta aos pais sobre a ocorrência de surto da ‘Síndrome Mão-Pé-Boca’ em crianças menores de cinco anos em Mato Grosso do Sul. Um alerta semelhante já havia sido feito ontem (24) a pelas redes sociais da  USF (Unidade de Saúde da Família) Vila Fernanda, localizada em Campo Grande. 

Contagiosa, a doença é causada pelo vírus Coxsackie e Enterovírus e podem provocar aftas na boca e lesões nas mãos e nos pés. A doença pode se manifestar em até sete dias e transmitir até quatro semanas após a recuperação. Segundo a Coordenadora Estadual de Vigilância Epidemiológica, Ana Paula Rezende de Oliveira Goldfinger, a transmissão acontece por meio do contato direto com a saliva, muco (secreções), fezes ou alimentos contaminados.

“É um vírus que acomete, principalmente, crianças menores de cinco anos. A ‘Síndrome Mão-Pé-Boca’ pode causar febre alta nos dias que antecedem as lesões na boca, amidalas e faringe, além de bolhas nas plantas dos pés e mãos, nádegas e região genital. Ainda pode ocasionar dor de cabeça, dor de garganta, mal-estar, irritabilidade, vômito, diarreia e até a perda de apetite, bem como, apresentar dificuldade de engolir e muita salivação”, explica a coordenadora.

“Por isso, é preciso que os pais fiquem atentos quanto ao comportamento dos filhos. Evite que andem em locais desconhecidos e sem higienização adequada e toquem em corrimãos. Se surgir os sintomas, leve imediatamente para atendimento médico. Após o diagnóstico preciso, o uso de medicamento pode aliviar os sintomas”, recomenda Goldfinger.

O que pode ajudar?

A Gerente Técnica Estadual de Doenças Agudas e Exantematicas, Jakeline Miranda Fonseca, explica que a criança ao ser diagnosticada com a Síndrome ‘mão-pé-boca’ deve permanecer em repouso em casa e tomar bastante líquido, além de alimentar-se bem. “O recomendável é oferecer a criança alimentos pastosos como purês e mingaus, gelatinas e sorvete, por serem mais fáceis de engolir. Bebidas geladas, como sucos naturais, chás e água são indispensáveis e necessárias para a hidratação delas”.

Outra recomendação é para quem for manipular a criança, lavar as mãos após a troca de fraldas e o uso de lenços, e fazer o descarte em lixo fechado. Se a criança for maior, lavar as mãos dela com água e sabão também. Fazer o uso de etiqueta respiratória ao tossir ou espirrar - cobrir a boca com um lenço ou o antebraço. Evitar beijar a criança.

Tanto em casa quanto no ambiente escolar, a recomendação é higienizar a superfície, objetos, principalmente, os brinquedos ou maçanetas que possam ter contato direto com a saliva e secreções e até fezes. O ideal é que use um pouco de água sanitária diluída em água para fazer a desinfeção do ambiente.  Recomenda-se também a não compartilhar mamadeiras, talheres, copos ou lençóis.

Jornal Midiamax