Cotidiano

Voluntários de MS que receberam dose da Coronavac são monitorados pelo HU

Os 105 voluntários de Mato Grosso do Sul que receberam a vacina Coronavac, suspensa na noite dessa segunda-feira (9), são monitorados pelo próprio Hospital Universitário e eles mesmos avisam caso haja algum sintoma ou adversidade. Após o voluntário tomar a dose da vacina, é disponibilizado um telefone para que ele possa ligar, caso sinta alguma […]

Carolina Rocha Publicado em 10/11/2020, às 16h31 - Atualizado em 11/11/2020, às 10h07

Reprodução
Reprodução - Reprodução

Os 105 voluntários de Mato Grosso do Sul que receberam a vacina Coronavac, suspensa na noite dessa segunda-feira (9), são monitorados pelo próprio Hospital Universitário e eles mesmos avisam caso haja algum sintoma ou adversidade.

Após o voluntário tomar a dose da vacina, é disponibilizado um telefone para que ele possa ligar, caso sinta alguma reação diferente. Ao Jornal Midiamax, a assessoria diz que o hospital disse que fica à disposição para orientar e acompanhar caso por caso.

Mesmo com suporte do Instituo Butantã, é a própria equipe do HU (Hospital Universitário) que faz o monitoramento de todos os voluntários.

Estudos da Coronavac suspensos 

A Anvisa anunciou na noite de segunda-feira (9) a suspensão dos estudos clínicos da Coronavac. A suspensão aconteceu por conta de um “evento adverso grave”, que não foi especificado. São considerados eventos adversos graves: óbito; evento adverso potencialmente fatal (aquele que, na opinião do notificante, coloca o indivíduo sob risco imediato de morte devido ao evento adverso ocorrido); incapacidade/invalidez persistente ou significativa; evento que exige internação hospitalar do paciente ou prolonga internação; anomalia congênita ou defeito de nascimento; qualquer suspeita de transmissão de agente infeccioso por meio de um dispositivo médico; evento clinicamente significante.

O evento teria acontecido no dia 29 de outubro e agora a Anvisa vai analisar os dados e definir sobre o risco e o benefício da continuidade dos estudos com a vacina. “Com a interrupção do estudo, nenhum novo voluntário poderá ser vacinado. A Anvisa reitera que, segundo regulamentos nacionais e internacionais de Boas Práticas Clínicas, os dados sobre voluntários de pesquisas clínicas devem ser mantidos em sigilo, em conformidade com princípios de confidencialidade, dignidade humana e proteção dos participantes”, informou por nota.

Jornal Midiamax