As gêmeas siamesas Maria Julia e Luna Vitória, que nasceram na última sexta-feira (3) na Santa Casa de , seguem em estado grave, porém estável hemodinamicamente, conforme informou a assessoria de imprensa do hospital. Ligadas pelo tórax, as irmãs são o terceiro caso de gêmeos siameses que nascem no hospital nos últimos seis anos.

Elas permanecem internadas na UTI (Unidade de Teraciampia Intensiva) Neonatal da Santa Casa e respiram com o auxílio de aparelhos. A equipe médica informa ainda que as gemelares recebem antibióticos e alimentação parenteral. Também estão recebendo acompanhamento da equipe médica clínica e cirúrgica multidisciplinar e que ainda não tem definição em relação a cirurgia de separação.

Caso raro

A separação das gêmeas depende da anatomia interna em relação a quais órgãos e de que forma são compartilhados. “Nos outros casos, uma das duplas de gêmeos foram estabilizados e transferidos para já os outros gemelares foram a óbito ainda no pronto-socorro pediátrico (nascidos em Três Lagoas). São casos raros que precisam ser estudados minuciosamente antes de tomarmos qualquer decisão. As gêmeas estão sendo acompanhadas por toda equipe multiprofissional e recebendo o melhor tratamento para elas no momento”, explicou o neonatologista, Dr. Walter Perez.

A mãe das gêmeas, Alice Aparecida Silva Gill, conta que descobriu da situação das filhas no primeiro ultrassom. Durante a gestação, Alice ficou internada na Santa Casa por quatro vezes e, agora, a expectativa é sair do hospital com as filhas nas mãos. “A primeira vez que eu fiquei internada estava com 28 semanas aí depois disso ficava uma semana em casa e a outra aqui no hospital até o momento do parto. Agora queremos que elas fiquem forte logo e levar elas para casa. Estamos torcendo para que tudo dê certo”, disse.