Cotidiano

‘Famosa’ em Campo Grande por reclamações, serralheria é fechada durante operação

Uma serralheria conhecida em Campo Grande por ser ‘campeã’ em reclamações, foi fechada, na terça-feira (3), durante uma operação do Proncon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor) e Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo). Após denúncias de atrasos em entregas nos produtos encomendados e falta de responsáveis par...

Karina Campos Publicado em 04/11/2020, às 14h53 - Atualizado em 05/11/2020, às 08h03

Empresa está com atividades suspensas até regularizar documentações. (Foto: Divulgação/Procon-MS)
Empresa está com atividades suspensas até regularizar documentações. (Foto: Divulgação/Procon-MS) - Empresa está com atividades suspensas até regularizar documentações. (Foto: Divulgação/Procon-MS)

Uma serralheria conhecida em Campo Grande por ser ‘campeã’ em reclamações, foi fechada, na terça-feira (3), durante uma operação do Proncon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor) e Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo).

Após denúncias de atrasos em entregas nos produtos encomendados e falta de responsáveis para resolver problemas, as equipes foram até a empresa e constataram irregularidades, inclusive, de danos ambientais como materiais com acúmulo de água e larvas do mosquito Aedes aegypti.

Segundo o Procon, além dos impasses nas estruturas, a situação fiscal da serralheria estava irregular. As equipes não encontraram materiais para emissão de nota fiscal, falta de licença ambiental, e outros documentos para o funcionamento da empresa. Durante a fiscalização, o dono não compareceu.

Por conta da quantidade de irregularidades, o departamento suspendeu as atividades por tempo indeterminado, até que o proprietário regularize a demanda e os documentos de alvará.

A empresa, localizada na Avenida Júlio de Castilho, ‘coleciona’ reclamações pelo atendimento, são mais de 100 notificações no Procon e na delegacia pela falta de prestação nos serviços. Em setembro deste ano, alguns consumidores derrubaram o portão do local, discutiram e agrediram funcionários.

Jornal Midiamax