Cotidiano

Coronavírus explode, drive thru não dá conta e pacientes fazem fila por teste no Aero Rancho

Campo Grande teve aumento de 500% nos casos de coronavírus em um mês, mas testes realizados no drive thru não acompanharam demanda.

Gabriel Maymone Publicado em 25/06/2020, às 15h51 - Atualizado em 26/06/2020, às 12h06

Fila de espera no Polo Aero Rancho. (Foto: Dayene Paz / Midiamax)
Fila de espera no Polo Aero Rancho. (Foto: Dayene Paz / Midiamax) - Fila de espera no Polo Aero Rancho. (Foto: Dayene Paz / Midiamax)

Diante do aumento expressivo de casos de Covid-19 em Campo Grande, cresce também a procura das pessoas pelos testes para saberem se estão infectadas com a nova doença. Porém, o drive thru está com sobrecarga no sistema e os pacientes acabam direcionados para o polo especial de atendimento do parque Ayrton Senna, no Aero Rancho.

No entanto, com baixa adesão ao isolamento social, muitos reclamam de ter que ficar em casa isolados por sete dias sem um diagnóstico fechado. Isso porque a regra é clara durante a pandemia: pessoas com sintomas de gripe não devem sair de casa e precisam buscar atendimento via disk-coronavírus o mais rápido possível.

No polo Aero Rancho, o número de atendimentos realizados praticamente dobrou em uma semana. Segundo dados da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), foram 231 pessoas atendidas na quarta-feira da semana passada, dia 17. Já nesta semana, o fluxo é de cerca de 400 pessoas por dia, informou ao Jornal Midiamax um funcionário da Sesau.

O atendimento do drive thru, mantido pela SES (Secretaria de Estado de Saúde), é limitado a 228 testes por dia, sendo 108 do tipo RT PCR, que identificam se a pessoa está infectada enquanto os sintomas estiverem presentes, e 100 rápidos, feitos após o fim dos sintomas. Nesta quarta-feira (24), só havia agendamento disponível a partir do dia 1º de julho, ou seja, mais de sete dias de espera.

Há um mês, quando Campo Grande ainda registrava 240 casos, a SES realizava 100 testes diários – todos RT PCR. Hoje, com um salto de 500% no número de infectados – são 1446, os drive thru da Capital realizam 228 testes, uma alta de apenas 128%.

Questionada sobre a possibilidade de ampliação dos testes nos drive-thru, a SES informou que tem ampliado de forma constante a realização diária de exames, sem revelar previsão de novas testagens para um agendamento mais amplo.

Em casa sem diagnóstico

A situação tem gerado preocupação entre aqueles que estão com sintoma e precisam do diagnóstico. “No polo do Aero Rancho, você espera a triagem e faz o teste rápido, mas só depois de sete dias de sintomas”, reclama um leitor, que se mostra preocupado se todos os que estão com sintomas vão, realmente, esperar os sete dias em isolamento.

“Liguei no drive thru duas vezes [..] Lá me avisaram que não tem mais vaga para antes do dia 30. No meu caso eu não tenho como fazer, porque já terão se passado sete dias dos sintomas”, denunciou o leitor. Ele reclamou, ainda, que a triagem do polo do Aero Rancho está cheia. “Lá a espera média é de 4 horas. Se não está com Covid-19, pega lá mesmo”, pontuou.

Outro leitor critica a baixa capacidade de testagem frente a um isolamento social tão baixo. “As pessoas estão saindo sem máscaras à noite. Imagina se uma pessoa dessa vai esperar em casa sete dias sem um diagnóstico? Ela vai sair espalhando Covid e talvez nem vá testar para saber se realmente estava doente. É mais fácil acreditar que estava com uma gripe qualquer”, analisa.

Em nota, a Sesau diz que a triagem no polo obedece ao protocolo de Manchester (casos são avaliados em maior e menor gravidade). Ainda conforme a Sesau, em sua maioria são feitos os testes rápidos, mas que dependendo do caso, uma unidade da saúde é acionada para realizar a coleta para o exame laboratorial.

Jornal Midiamax