Cotidiano

Com 1 agente para 11 mil moradores, Vigilância Sanitária está na linha de frente contra o coronavírus

Atuando na linha de frente de combate ao novo coronavírus (Covid-19), o número de agentes da Vigilância Sanitária ainda é considerado baixo por quantidade de habitantes, conforme a recomendação do Ministério Público Federal. A Prefeitura de Campo Grande pretende convocar novos servidores até o mês de junho. A recomendação do MP é de 1 agente […]

Karina Campos Publicado em 13/05/2020, às 16h16 - Atualizado às 16h25

 (Foto: Leonardo de França/Arquivo)
(Foto: Leonardo de França/Arquivo) - (Foto: Leonardo de França/Arquivo)

Atuando na linha de frente de combate ao novo coronavírus (Covid-19), o número de agentes da Vigilância Sanitária ainda é considerado baixo por quantidade de habitantes, conforme a recomendação do Ministério Público Federal. A Prefeitura de Campo Grande pretende convocar novos servidores até o mês de junho.

A recomendação do MP é de 1 agente para cada 4 mil habitantes, no entanto Campo Grande possui 67 agentes para 774 mil habitantes, o que equivale a 1 profissional para 11 mil habitantes. Segundo a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), atualmente são cerca de 67 agentes fiscais atuando, não apenas em combate ao coronavírus, mas atendendo outras demandas como fiscalização em estabelecimentos de alimentação e odontológicos.

A secretaria também ressalta que mais 17 novos fiscais sanitários serão convocados até o mês de junho.

Leitores do Jornal Midiamax ressaltaram a importância dos trabalhos, principalmente neste período, pois a quantitativo de servidores não consegue atender o grande número de estabelecimentos e denúncias.

“Equipes não estão dando conta devido esse aumento, e há um concurso de 2016 em andamento com vencimento em junho que há agentes fiscais sanitários aguardando o chamamento, porém a prefeitura não vê a prioridade justamente nesse caos de saúde pública. Há muitos aposentados desde o período desse concurso, 7 profissionais que não foram repostos e mais 4 ainda para esse ano”, relata o leitor, que preferiu não se identificar.

O Sindicato dos Odontologista solicitou, em fevereiro deste ano, a convocação de três profissionais convocados, e ainda aguardam uma resposta. “O serviço atualmente conta com 4 agentes fiscais odontológicos, número extremamente reduzido para atender toda a demanda da Capital, e há que se considerar o risco sanitário inerente à esta atividade”, exige o documento.

A reportagem entrou em contato com a coordenação da Vigilância Sanitária Municipal, mas não obteve retorno até a publicação deste material.

Jornal Midiamax