Cotidiano

Antes de ganhar ‘bandeira preta’, cidade de MS anuncia fechamento de comércio aos finais de semana

Sidrolândia seguiu recomendação do Ministério Público e dados do Prosseguir para tomar medida; toque de recolher terá início antecipado.

Humberto Marques Publicado em 16/07/2020, às 15h49

Autoridades de Sidrolândia discutiram novas medidas na quarta-feira, antes do anúncio sobre grau extremo de risco para Covid-19. (Foto: Divulgação)
Autoridades de Sidrolândia discutiram novas medidas na quarta-feira, antes do anúncio sobre grau extremo de risco para Covid-19. (Foto: Divulgação) - Autoridades de Sidrolândia discutiram novas medidas na quarta-feira, antes do anúncio sobre grau extremo de risco para Covid-19. (Foto: Divulgação)

Um dia antes de serem divulgados detalhes do Prosseguir, em relação ao risco de contágio pelo novo coronavírus (Covid-19) em municípios de Mato Grosso do Sul, nesta quinta-feira (16), a Prefeitura de Sidrolândia –a 71 km de Campo Grande– já traçava medidas visando o endurecimento das regras de biossegurança na cidade, já seguindo o estudo que colocou a cidade em grau extremo (bandeira preta) de perigo quanto a doença.

Entre as ações que serão adotadas, conforme informado pela assessoria do Paço Municipal, está a antecipação do horário de início do toque de recolher para as 20h e autorização para que apenas atividades essenciais funcionem aos finais de semana até 31 de julho.

As medidas são semelhantes às adotadas pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD) em Campo Grande, município que também foi colocado sob “bandeira preta” pelo Prosseguir.

Reunião para tratar das medidas de combate à pandemia de Covid-19 em Sidrolândia foi realizada na tarde de quarta-feira (15), na presença de autoridades de Saúde, do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) e da Segurança Pública. A pauta foram mudanças necessárias na prevenção à doença, como divulgado via assessoria.

O prefeito Marcelo Ascoli (sem partido) informou, na reunião, que decidiu seguir orientação da promotora Janeli Basso e aderir a recomendação do Prosseguir, divulgada nesta quinta-feira.

“O programa Prosseguir procura definir a forma como que cada município poderia atuar e agir, para auxiliar tanto a questão da área da saúde quanto na área econômica, buscando um equilíbrio, assim trazendo um estudo científico para auxiliar os gestores na tomada de decisão, então só orientamos para que seja acompanhado esse programa, conhecer as recomendações e na medida do possível seja acolhido o que for o melhor para o município”, disse a promotora.

Com base no programa, foram anunciadas medidas para evitar aglomerações. Aos finais de semana, apenas atividades consideradas essenciais (como farmácias e supermercados, entre outros) poderão funcionar. O toque de recolher teve o início antecipado para as 20h e as medidas de orientação e fiscalização de aglomerações serão intensificadas.

As medidas vão vigorar até 31 de julho, sendo, depois, reavaliadas. A Prefeitura de Sidrolândia havia prometido divulgar o conjunto de ações assim que os dados do Prosseguir fossem apresentados. A reportagem não conseguiu contatar o prefeito Marcelo Ascoli para comentar as medidas.

Prosseguir colocou 6 municípios de MS sob ‘bandeira preta’ por conta do coronavírus

Além de Sidrolândia e Campo Grande, Alcinópolis, Corguinho, Maracaju e Nioaque estão na lista de grau extremo de risco de contágio por coronavírus. Nesse nível, o mais alto na tabela do Prosseguir, a SES recomenda medidas extremas para o enfrentamento da doença.

A maioria dos municípios do Estado (59) estão em bandeira vermelha, que aponta grau alto de contaminação; e 14 estão em grau médio (laranja). O Prosseguir trabalha com bandeiras de referência que classificam os riscos de atividades comerciais a partir de indicadores de Saúde, dentro do contexto da pandemia.

Os indicadores definem a possibilidade de flexibilização ou arrocho das regras de isolamento social contra a Covid-19, a serem adotadas pelos municípios, sendo fixadas em 5 níveis: grau baixo (verde), tolerável (amarelo) médio (laranja), alto (vermelho) e extremo (preto), este último sugerindo medidas como o lockdown –fechamento total de atividades não-essenciais.

A composição do Prosseguir, porém, leva diferentes fatores em consideração, cada um com um peso específico para definição do grau. Entre os itens estão capacidade global de leitos de UTI a 25% na rede pública para casos de SRAG (Síndrome REspiratória Aguda Grave) e redução da mortalidade por este mal nos últimos 14 dias, equipamentos de proteção individual suficientes para profissionais de Saúde por 30 dias, se é feita busca efetiva de casos confirmados, e queda no volume de infectados por Covid-19 entre profissionais de Saúde ao longo de 14 dias, entre outros itens.

O prefeito de Alcinópolis, Dalmy Crisóstomo (DEM), contestou a inclusão do município na lista, apontando que há baixo volume de infectados (2) e de incidência da doença na cidade (menos de 38 casos por 100 mil habitantes). Em resposta, o Governo do Estado apontou que as notas são atribuídas a partir de informações dos próprios municípios, mas podem ser revistas a partir do acréscimo de dados atualizados.

Boletim da Secretaria de Estado de Saúde divulgado nesta quinta-feira apontou 699 novos casos de coronavírus no Estado em 24 horas, subindo para 15.330 o total de infectados desde o início da pandemia. O total de óbitos foi elevado em 8, chegando a 191. No início da tarde, uma morte em Aquidauana pela doença também foi anunciada.

Jornal Midiamax