Cotidiano

Recuperação asfáltica da Ernesto Geisel será concluída até quarta-feira

Interditada desde o ano passado para as obras de revitalização do Rio Anhanduí, a Prefeitura de Campo Grande informou nesta segunda-feira (21) que já deu início a recomposição do pavimento em um trecho da pista centro-base da Avenida Ernesto Geisel. De acordo com o órgão, até quarta-feira (23) o serviço deve estar concluído e o […]

Ana Palma Publicado em 21/10/2019, às 08h11 - Atualizado às 08h25

(Foto: Divulgação PMCG)
(Foto: Divulgação PMCG) - (Foto: Divulgação PMCG)

Interditada desde o ano passado para as obras de revitalização do Rio Anhanduí, a Prefeitura de Campo Grande informou nesta segunda-feira (21) que já deu início a recomposição do pavimento em um trecho da pista centro-base da Avenida Ernesto Geisel. De acordo com o órgão, até quarta-feira (23) o serviço deve estar concluído e o tráfego liberado.

A intervenção abrange um trecho de 800 metros entre as ruas da Abolição e do Aquário, exigindo a utilização de 300 toneladas de massa asfáltica. Antes de recompor o asfalto, foi refeito a base do pavimento e a imprimação, além de ser concluído o meio-fio.

Segundo a Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos), o mesmo serviço já foi realizado no primeiro trecho das obras de revitalização do Anhandui, entre as ruas Santa Adélia e da Abolição. Neste primeiro lote, está faltando executar serviço de urbanização, implantação da ciclovia, além do recapeamento que será feito nas duas pistas marginais ao rio ao longo de toda extensão da área de intervenção.

Investimentos e prazos

O cronograma de execução da obra foi prejudicado neste ano pelos atrasos nos repasses de recursos por parte do Governo Federal. Neste ano, só   foram feitos três repasses: em março, junho e setembro, que somaram R$ 11,4 milhões.  Na semana passada o prefeito Marquinhos Trad esteve no Ministério do Desenvolvimento Regional, para cobrar a liberação de R$ 2,9 milhões, empenhados há 60 dias.

Mesmo com o fator climático prejudicando, além da incerteza sobre a pontualidade nos repasses, o secretário Rudi Fiorese acredita que seja possível concluir ainda neste ano o primeiro lote. “Falta apenas colocar 5 metros de placas de concreto para contenção da margem direita, urbanização e implantação da ciclovia”, explica.

Em relação aos outros dois lotes, a estabilização da margem esquerda (com placas de concreto e gabião) só será iniciada quando a Águas Guariroba remanejar o emissário da rede de esgoto instalado rente à margem do rio. A tubulação será removida em direção a pista, para ficar a quatro metros da parede gabião. Até agora 60% da obra já foi executada, sendo investidos R$ 29.416.122,52.

Jornal Midiamax