Cotidiano

Imagens fortes: Dona viaja e PMA resgata animais após cão morrer de fome

Um cachorro morreu desnutrido, por não ter água e nem comida, após a tutora do animal viajar. O caso aconteceu ontem (27) em Cassilândia, distante 436 km de Campo Grande. A mulher mantinha um papagaio na mesma situação. ONG (Organização Não Governamental) de proteção aos animais acionou a PMA (Polícia Militar Ambiental), depois de encontrar […]

Renata Volpe Publicado em 28/07/2019, às 12h33 - Atualizado em 29/07/2019, às 08h15

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Imagem ilustrativa

Um cachorro morreu desnutrido, por não ter água e nem comida, após a tutora do animal viajar. O caso aconteceu ontem (27) em Cassilândia, distante 436 km de Campo Grande. A mulher mantinha um papagaio na mesma situação.

ONG (Organização Não Governamental) de proteção aos animais acionou a PMA (Polícia Militar Ambiental), depois de encontrar o cachorro debilitado sem alimento e sem água em uma residência na cidade. Segundo informações, a proprietária da casa teria viajado e deixado o animal sem cuidado algum. 

Imagens fortes: Dona viaja e PMA resgata animais após cão morrer de fomeOs policiais foram ao local e encontraram o animal deitado, extremamente debilitado e agonizando em meio a fezes. No quintal da residência, na área dos fundos, a equipe encontrou um papagaio, que também estava sem alimentação e água. 

Os animais foram recolhidos pelos policiais e por representantes da ONG, que levaram os bichos para cuidados veterinários. O cachorro não resistiu à desnutrição e veio a óbito, logo ao chegar na clínica. O papagaio que era mantido na casa ilegalmente, será encaminhado ao Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), em Campo Grande. Imagens fortes: Dona viaja e PMA resgata animais após cão morrer de fome

A mulher de 28 anos foi identificada e multada em R$ 6 mil. Ela vai responder por crime ambiental de maus-tratos a animais, com pena de três meses a um ano de detenção, bem como por manter animal silvestre ilegalmente em cativeiro, com pena de seis meses a um ano de detenção.

Jornal Midiamax