Cotidiano

Com muitos candidatos, ONG vai escolher cuidadores para cães de caça resgatados

Após uma ‘enxurrada’ de ligações e mensagens, a ONG (Organização Não Governamental) Abrigo dos Bichos analisa o perfil de quem se propôs a oferecer um lar temporário para os cães de caça. Os animais foram resgatados nesta segunda-feira (23) em uma fazenda, onde viviam acorrentados, sem água e passavam fome.  O Abrigo dos Bichos aponta […]

Mylena Rocha Publicado em 24/09/2019, às 10h24 - Atualizado às 17h20

Animais eram mantidos em uma espécie de 'galinheiro', sem água ou comida. (Foto: Marcos Ermínio/Midiamax)
Animais eram mantidos em uma espécie de 'galinheiro', sem água ou comida. (Foto: Marcos Ermínio/Midiamax) - Animais eram mantidos em uma espécie de 'galinheiro', sem água ou comida. (Foto: Marcos Ermínio/Midiamax)

Após uma ‘enxurrada’ de ligações e mensagens, a ONG (Organização Não Governamental) Abrigo dos Bichos analisa o perfil de quem se propôs a oferecer um lar temporário para os cães de caça. Os animais foram resgatados nesta segunda-feira (23) em uma fazenda, onde viviam acorrentados, sem água e passavam fome. 

O Abrigo dos Bichos aponta que recebeu tantas mensagens e ligações que agora deve analisar as propostas. Na prática, isto quer dizer que, a partir de agora, os novos pedidos não são mais considerados. “Recebemos muitas ligações, muita gente querendo adotar, mas explicamos que é apenas lar temporário. Agora estamos analisando estes pedidos, como foram muitos, acreditamos que haverá lares para todos os cães”, disse uma das protetoras ao Jornal Midiamax.

É importante lembrar que os animais ainda não estão disponíveis para adoção. A médica veterinária Maria Lúcia Metello explica que os cães serão encaminhados para quem tem responsabilidade e espaço em casa, afinal, são cães de campo. “Vamos encaminhar para quem é responsável, a pessoa vai assinar um termo na delegacia. Eles ainda não podem ser doados porque estão em processo judicial. O juiz ainda vai decidir se os animais voltam para o antigo dono ou se podem ser doados”, explica.

Maria Lúcia conta que muitas pessoas têm ligado e querem adotar, ainda mais por se tratarem de animais de raça. “É uma coisa incrível, muita gente ligando, até criadores querendo ficar com os animais, é muita cara de pau”. Entretanto, para quem oferecer o lar temporário, há possibilidade de adoção. A médica veterinária explica que, se o juiz decidir que os cães sejam doados, é provável que eles já fiquem com quem os abrigou.

Como o Abrigo já deve ter os lares suficientes para os cães, a ONG aceita doações de ração, vacinas, vermífugos e vitaminas. Doações em dinheiro também são válidas. Clique aqui e saiba como doar.

Jornal Midiamax