Cotidiano

Caminhoneiros entram no 10° dia de greve com 54 pontos de protestos em MS

A greve dos caminhoneiros entra em deu 10° dia consecutivo nesta quarta-feira (30), apesar da proposta feita pelo Governo Estadual. O Governador Reinaldo Azambuja propôs a redução da alíquota ICMS do diesel de 17% para 12% apenas sob a condição do fim da greve.

Mylena Rocha Publicado em 30/05/2018, às 07h39 - Atualizado às 16h43

Em Campo Grande, caminhoneiros protestam em frente ao posto Caravaggio, na BR-163. (Foto: Marcos Ermínio)
Em Campo Grande, caminhoneiros protestam em frente ao posto Caravaggio, na BR-163. (Foto: Marcos Ermínio) - Em Campo Grande, caminhoneiros protestam em frente ao posto Caravaggio, na BR-163. (Foto: Marcos Ermínio)

A greve dos caminhoneiros entra no 10° dia consecutivo nesta quarta-feira (30), apesar da proposta feita pelo Governo Estadual. O Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) propôs a redução da alíquota ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) do diesel de 17% para 12% apenas sob a condição do fim da greve.

Na manhã desta quarta-feira (30), os manifestantes mantêm 54 pontos de protestos em rodovias estaduais e federais. Segundo a concessionária que administra a BR-163, são 19 pontos de protesto somente na BR-163. A PRF (Polícia Rodoviária Federal) ainda não divulgou os dados referentes a estradas federais. Segundo a PMR (Polícia Militar Rodoviária), são 35 pontos de protestos.

Os pontos de manifestação continuam em todo o estado, mas a desmobilização já é visível entre os trabalhadores da categoria. Em Campo Grande, os caminhoneiros autônomos se dizem descontentes com o resultado da greve, mas já começam a desocupar o posto Caravaggio, ponto de manifestação na BR-163. Já segundo o Sindicam-MS (Sindicato dos Caminhoneiros de Mato Grosso do Sul), a greve acaba nesta quarta-feira (30) e a categoria vê como positiva a proposta de redução do ICMS feita pelo Governo Estadual e a redução do valor do diesel em 10%, ofertada pelo Governo Federal.

Segundo a PMR (Polícia Militar Rodoviária), 35 pontos de manifestação continuam ocupados nas rodovias estaduais, mas a quantidade de caminhoneiros é menor.

Confira os 35 pontos de manifestação nas rodovias estaduais: 

Campo grande: MS-040 ( km 1); MS-080 (km 1);

Santa Rita do Rio Pardo:  MS-040 (km 230);

Três Lagoas: MS-112 ( km 1); MS-320 (km 1);

Maracaju: MS-164 (km 16);

Chapadão do Sul: MS-306 (km 1);

Paranaíba: MS-497 (km 19);

Aparecida do Taboado: MS-436 (km 3);

Cassilândia: MS-112 (km 1);

Nova Andradina: MS-134 (km 143); MS-276 (km 172); MS-276 (km 2); MS-473 9km 36);

Novo Horizonte do Sul: MS-475 (km 20); MS-475 (km 28);

Ivinhema: MS-141 (km 109); MS-276 (km 113); MS-276 (km 115);

Deodápolis: MS-145 (km 2);

Ipezal: MS-145 (27);

Tacuru: MS-295 (km 1);

Iguatemi: MS-295 (km 48); MS-180 (km 3);

Amambai: MS-386 (km 73);

Itaporã: MS-156 (km 1); MS-156 (km 77);

Dourados: MS-162 (km 12); MS-276 (km 50); MS-376 (km 26);

Itahum: MS-270;

Itamarati: MS-164 (km 72);

Ponta Porã: MS-164 (km 120);

Sidrolândia: MS-162 (km 3);

Bonito: MS-178 (km 50);

Jornal Midiamax