Cotidiano

Reforma em escola feita por presos do semiaberto gera economia de R$ 380 mil

Projeto é parceria do governo com o TJMS 

Evelin Cáceres Publicado em 14/09/2016, às 13h19

None
img-20160914-wa0006.jpg

Projeto é parceria do governo com o TJMS 

Pintura, reforma elétrica e hidráulica, refeitório, projeto de acessibilidade, readequação de salas e quadra esportiva foram os serviços realizados por 14 pessoas na Escola Estadual José Ferreira Barbosa. Entregue nesta quarta-feira (14), a diferença dessas para outras realizadas pelo governo do Estado é a economia de R$ 380 mil no serviço.

O local foi revitalizado por meio do programa do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), “Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade”, que utiliza mão de obra de presos em processo de ressocialização para reformar as escolas estaduais.

Presidente do TJMS, o desembargador João Maria Lós explicou que para financiar a compra dos materiais para a reforma, a administração do sistema prisional utilizou 10% do salário que seria pago ao próprio detento, em convênio com o poder público. Desta maneira, uma reforma como a executada nesta instituição de ensino, que custaria em torno de R$ 400.000,00, custou para o Estado R$ 19.800,00, quantia referente à remuneração dos detentos, gerando uma economia aos cofres públicos que gira em torno de 95%.

O diretor da escola, Mariomar Resende Júnior falou que o projeto mudou a realidade da escola. “Estava tudo deteriorado pelo tempo e agora estamos muito satisfeitos. Tantos os pais como os alunos foram informados sobre os presos do semiaberto e a relação deles com o ambiente escolar foi ótima. Não houve preconceito, todos foram muito bem recebidos e fizeram um ótimo trabalho pela escola”. 

 Projeto

O projeto “Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade” foi idealizado pelo juiz da 2ª Vara de Execução Penal de Campo Grande, Albino Coimbra Neto. Pelo programa, os materiais de construção e tudo o que é necessário para a reforma são comprados com um fundo arrecadado pelo desconto de 10% do salário de cada preso da Capital que trabalha em convênios firmados com o poder público ou iniciativa privada.

Jornal Midiamax