O vandalismo também é destacado pela Agetran 

Descargas elétricas que ocorrem, com ou sem chuva, e as oscilações de , são as principais causas apontadas pela Agência Municipal de Transporte e (Agetran), para os problemas nos semáforos de Campo Grande.

Nesta terça-feira (30), alguns leitores reclamaram que os aparelhos não estavam funcionando em dois pontos movimentados da Avenida Antônio Maria Coelho, no encontro com a Av. Ernesto Giesel e na travessia com a Avenida Noroeste. A questão é que as “panes” são frequentes e colocam os motoristas em situação perigosa.

Sobre isso, a Agetran explicou que são feitas rondas, diurnas e noturnas, com 135 agentes de trânsito, para garantir a manutenção dos equipamentos. A empresa ainda reforça que na Capital, além dos controladores de tráfego sofrerem com atos de vandalismo, são sensíveis às oscilações de energia, e principalmente, com as descargas elétricas que ocorrem, com ou sem chuva, e causam a queima dos mesmos.

Ainda em nota, a Agetran explica que “em alguns locais, a energia torna-se instável devido ao aumento de consumo energético, já que a tensão elétrica não suporta a demanda exigida. Assim como na maioria das ocorrências, nos locais citados, a questão foi oscilação de energia, sendo que a Concessionária de Energia Elétrica é acionada para fazer o reparo”.

A Energisa, por sua vez,esclarece que os casos de falta de energia, que afetam o funcionamento de semáforos, são sempre atendidos com prioridade e reforça que o funcionamento e a manutenção dos equipamentos são de responsabilidade da Agetran.

A Agetran pede que usuário, aos constatar um equipamento com defeito, informe imediatamente, seja pelo WhatsApp  9182-2677, na ouvidoria no número 118 ou ainda, no telefone 3314-3411 em horário comercial.(Matéria editada as 17h21 para acréscimo de informações).