Taxa de desemprego cai para 8% no segundo trimestre de 2023, menor patamar em 9 anos, diz IBGE

O segundo trimestre registrou recuo da taxa de desocupação, após crescimento no primeiro trimestre do ano
| 28/07/2023
- 11:19
carteira de trabalho desemprego
Carteira de Trabalho (Divulgação, Governo de MS)

A taxa de desocupação no Brasil atingiu 8,0% no trimestre encerrado em junho, o menor resultado para o período desde 2014. É uma redução de 0,8 ponto percentual (p.p.) frente ao trimestre anterior (8,8%), de janeiro a março.

Já na comparação com o segundo trimestre de 2022 (9,3%), o índice teve queda ainda maior, de 1,3 p.p. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgada nesta sexta-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo a coordenadora de Pesquisas por Amostra de Domicílios do IBGE, Adriana Beringuy, o segundo trimestre registrou recuo da taxa de desocupação, após crescimento no primeiro trimestre do ano.

 

“Esse movimento aponta para recuperação de padrão sazonal desse indicador. Pelo lado da ocupação, destaca-se a expansão de trabalhadores na administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, no trimestre e no ano”, destaca.

Perfil dos empregados

O levantamento também revelou que o contingente de empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada chegou a 13,1 milhões de pessoas, subindo 2,4% (mais 303 mil pessoas) na comparação trimestral. Na comparação anual ficou estável.

Já a quantidade de trabalhadores com carteira assinada no setor ficou estável no trimestre, totalizando 36,8 milhões de pessoas, aumento de 2,8% (mais 991 mil pessoas) em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

 

“Esse movimento aponta para recuperação de padrão sazonal desse indicador. Pelo lado da ocupação, destaca-se a expansão de trabalhadores na administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, no trimestre e no ano”, destaca.

Perfil dos empregados

O levantamento também revelou que o contingente de empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada chegou a 13,1 milhões de pessoas, subindo 2,4% (mais 303 mil pessoas) na comparação trimestral. Na comparação anual ficou estável.

Já a quantidade de trabalhadores com carteira assinada no setor ficou estável no trimestre, totalizando 36,8 milhões de pessoas, aumento de 2,8% (mais 991 mil pessoas) em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

 

Veja também

Hipótese da polícia é que suspeito partiu para a violência após falhar em tentativa de crime anterior

Últimas notícias