A brasileira Bruna Valeanu, de 24 anos, que estava entre as pessoas desaparecidas após o ataque terrorista do Hamas, no sábado (7), em uma rave no sul de , foi encontrada morta. A informação foi confirmada pela organização StandWithUs Brasil e pela irmã de Bruna, Florica, nas redes sociais. Bruna estava em um festival de realizado no sábado, alvo de um atentado.

A jovem, natural do , se mudou para Israel em 2015 e morava em Petah Tikva, cidade a 10 quilômetros da capital Tel Aviv, com sua mãe, Roza Valeanu, também carioca. Ainda no Brasil, ela trabalhou em um movimento sionista religioso chamado Bnei Akiva e estudou na escola judia bilíngue TTH Barilan, que tem duas unidades no Rio.

Atualmente, Bruna estudava Comunicação, Sociologia e Antropologia na de Tel Aviv, com competência em Marketing. Ela já trabalhou como representante de vendas e foi instrutora de tiro nas Forças de Defesa de Israel por dois anos, entre 2018 e 2020.

De acordo com o comunicado publicado pela irmã de Bruna, o funeral da brasileira acontecerá nesta terça-feira (10), às 21h30, em Petah Tikva.

Nesta terça-feira, o governo brasileiro confirmou a morte de Ranani Glazer, gaúcho que também estava na rave com outros dois brasileiros – a namorada, Rafaela Treistman, e o amigo, Rafael Zimerman – em uma festa a 5 km da Faixa de Gaza.

Com a notícia da morte de Ranani e Bruna, há somente uma brasileira ainda considerada desaparecida, a carioca Karla Stelzer Mendes, de 41 anos de idade.

Com informações da Agência Estado

Saiba Mais