Evandro Fióti é dono da marca Fantasma Lab

Pouco depois de ser ovacionado no desfile de sua marca na passarela da São Paulo Fashion Week, o estilista Evandro Fióti, 28, foi barrado pela segurança do evento quando tentava deixar o prédio da Bienal. Ele, que é negro, disse ter sido vítima de

O caso aconteceu pouco depois das 20h de quarta (29). A Lab, marca de street wear de Fióti, havia apresentado sua coleção naquela noite e o empresário-estilista estava saindo do local do desfile para se juntar ao restante do seu time, que já o esperava em uma van.

“Na hora, que fui deixar o prédio, um segurança me barrou de forma bastante ríspida, dizendo que não podia mais sair por ali. Tentei argumentar, mostrei que estava credenciado, mas ele tentou me inferiorizar”, disse.

Só depois de insistência do estilista mostrando a pulseira que lhe dava livre acesso ao local, o segurança acionou seus superiores. De um jeito enviesado, segundo Fióti. “Ele disse que tinha um rapaz que queria sair e perguntou ‘não é para deixar, né?'”, relembrou.

Estilista negro é barrado no próprio desfile por segurança do SPFW

Em nota, a SPFW disse que Borges “tomou medidas junto à empresa de segurança contratada pelo evento, para repreensão de conduta dos envolvidos, e, atendendo pedido de Fióti, preservou o funcionário responsável”. O caso virou um assunto nos bastidores do maior evento de moda do país depois que, indignado, Fióti postou uma mensagem curta e bastante direta em seu Facebook.

A grife, que inclui também a marca Lab Fantasma, existe há 8 anos e atualmente emprega 18 pessoas (50, se forem incluídos os trabalhadores terceirizados). Fióti foi o idealizador da Lab ao lado de seu irmão, o cantor Emicida. O desfile da LAB, que teve um cypher — apresentação em que vários rapppers rimam sobre o mesmo tema, “alçar novos voos” —, foi bastante elogiado pela crítica.