Brasil

Petrobras: FHC rebate Dilma e sugere “exame na consciência”

FHC diz que o caso do “Petrolão” não se trata de erros individuais de funcionários

Clayton Neves Publicado em 20/02/2015, às 20h50

None
fhc.jpg

FHC diz que o caso do “Petrolão” não se trata de erros individuais de funcionários

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso divulgou uma nota na tarde desta sexta-feira em que responde às declarações da presidente Dilma Rousseff de que a Petrobras deveria ter sido investigada na década de 1990. FHC afirma que Dilma não deveria “encobrir suas responsabilidades”, mas fazer um “exame na consciência” e admitir que foi descuidada.

Dilma disse, na manhã desta sexta-feira, que se a Petrobras tivesse sido investigada na década de 90, quando FHC era presidente, o esquema de corrupção não teria se propagado. Dilma citou, sem dizer nomes, a delação de um dos envolvidos, na qual o executivo Augusto Mendonça, da Toyo Setal, diz que as empresas começaram a se reunir para fazer acordos ainda naquela época. Diante da fala de Dilma, o ex-presidente disse que, até então, não se manifestou sobre culpados pelo esquema de corrupção da Petrobras, mas foi obrigado a se pronunciar. “Uma vez que a própria presidente entrou na campanha de propaganda defensiva, aceitando a tática infamante da velha anedota do punguista que mete a mão no bolso da vitima, rouba e sai gritando “pega ladrão”!”, sou forçado a reagir”, disse.

FHC diz que o caso do “Petrolão” não se trata de erros individuais de funcionários, mas de um processo maior, que envolve o governo de Lula e de Dilma. “Foram eles ou seus representantes na Petrobras que nomearam os diretores da empresa ora acusados de, em conluio com empreiteiras e, no caso do PT, com o tesoureiro do partido, de desviar recursos em benefício próprio ou para cofres partidários.”

Após apontar a relação do PT com o escândalo, o ex-presidente diz que Dilma foi descuidada e deveria fazer “um exame de consciência”. “Diante disso, a Excelentíssima Presidente da Republica deveria ter mais cuidado. Em vez de tentar encobrir suas responsabilidades, jogando-as sobre mim, que nada tenho a ver com o caso, ela deveria fazer um exame de consciência. Poderia começar reconhecendo que foi no mínimo descuidada ao aprovar a compra da refinaria de Pasadena e aguardar com maior serenidade que se apurem as acusações que pesam sobre o seu governo e de seu antecessor”, avaliou.

O ex-presidente afirmou ainda que o delator ao qual Dilma se referiu sem dar nomes foi claro ao dizer que somente a partir do governo de Luiz Inácio Lula da Silva a corrupção tornou-se sistemática. “Disse que a propina recebida antes de 2004 foi obtida em acordo direto entre ele e seu corruptor; somente a partir do governo Lula a corrupção, diz ele, se tornou sistemática. Como alguém sério pode responsabilizar meu governo pela conduta imprópria individual de um funcionário se nenhuma denúncia foi feita na época?”, rebateu.

Veja a nota na íntegra:

Até agora, salvo lamentar o caráter de tsunami que a corrupção tomou no caso do “Petrolão”, não adiantei opiniões sobre culpados ou responsáveis, à espera do resultado das investigações e do pronunciamento da Justiça. Uma vez que a própria Presidente entrou na campanha de propaganda defensiva, aceitando a tática infamante da velha anedota do punguista que mete a mão no bolso da vitima, rouba e sai gritando “pega ladrão”!”, sou forçado a reagir.

1. O delator a quem a Presidente se referiu foi explícito em suas declarações à Justiça. Disse que a propina recebida antes de 2004 foi obtida em acordo direto entre ele e seu corruptor; somente a partir do governo Lula a corrupção, diz ele, se tornou sistemática. Como alguém sério pode responsabilizar meu governo pela conduta imprópria individual de um funcionário se nenhuma denúncia foi feita na época?

2. do mesmo modo, a delação do empreiteiro da Setal Engenharia reafirma que o cartel só se efetivou a partir do governo Lula.

3. no caso do “Petrolão” não se trata de desvios de conduta individuais de funcionários da Petrobras, nem são eles, empregados, em sua maioria, os responsáveis. Trata-se de um processo sistemático que envolve os governos da Presidente Dilma (que ademais foi presidente do Conselho de Administração da empresa e Ministra de Minas e Energia) e do ex- presidente Lula. Foram eles ou seus representantes na Petrobras que nomearam os diretores da empresa ora acusados de, em conluio com empreiteiras e, no caso do PT, com o tesoureiro do partido, de desviar recursos em benefício próprio ou para cofres partidários.

4. diante disso, a Excelentíssima Presidente da Republica deveria ter mais cuidado. Em vez de tentar encobrir suas responsabilidades, jogando-as sobre mim, que nada tenho a ver com o caso, ela deveria fazer um exame de consciência. Poderia começar reconhecendo que foi no mínimo descuidada ao aprovar a compra da refinaria de Pasadena e aguardar com maior serenidade que se apurem as acusações que pesam sobre o seu governo e de seu antecessor.

Jornal Midiamax