Variedades / Saúde

Assembleia Legislativa participa do Novembro Azul e incentiva prevenção ao câncer

A cada 100 mil homens, 82 terão a doença no Estado

Diego Alves Publicado em 06/11/2015, às 22h48

None
novembro_azul.jpg

A cada 100 mil homens, 82 terão a doença no Estado

Mato Grosso do Sul é o campeão do Centro Oeste na incidência do câncer de próstata, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca). A cada 100 mil homens, 82 terão a doença no Estado. Para conscientizar sobre a importância da prevenção, a Assembleia Legislativa participa da campanha Novembro Azul, instituída pela Lei 4.636/2014 de autoria dos deputados Zé Teixeira (DEM) e Marquinhos Trad (PMDB), que incentiva os homens a cuidarem da saúde para a detecção e tratamento precoce de doenças. O câncer de próstata pode levar à morte.

De acordo com o Inca são mais de 13 mil óbitos por ano no país e muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata, como dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou pela noite. Na fase avançada, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada e insuficiência renal. "Todas as campanhas de promoção à saúde e prevenção são importantes, mas principalmente as que são voltadas à saúde do homem, que geralmente é mais resistente a se cuidar do que a mulher", afirmou o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi (PMDB). A deputada Mara Caseiro (PTdoB) chamou a atenção para o  preconceito que ainda predomina e que faz muitos homens resistirem a fazer os exames e os acompanhamentos médicos necessários.“O Novembro Azul é importante, justamente, nesse sentido, pois trabalha a cabeça dos homens para que compreendam a importância da prevenção, de se olhar, de acompanhar sua saúde com um profissional adequado”, enfatizou.

O diagnóstico precoce aumenta as chances de cura. “Oficializamos a campanha no Estado para servir como um alerta, porque hoje sabemos que, se for descoberto cedo, pode ser revertido”, afirmou o deputado Zé Teixeira (DEM).  Além de aderir ao Novembro Azul, a Assembleia ainda dispõe da Lei 3.548/2008, de autoria do deputado Professor Rinaldo (PSDB), que institui toda primeira semana de agosto a Semana de Prevenção e Combate ao Câncer de Próstata, com incentivo a ações preventivas à doença. Prevenção Segundo o Inca, achados no exame clínico (toque retal) combinados com o resultado do exame de sangue que revela a dosagem do antígeno prostático específico (PSA, na sigla em inglês) podem sugerir a existência da doença. Nesses casos é indicada a ultrassonografia pélvica (ou prostática transretal, se disponível).

O resultado da ultrassonografia, por sua vez, poderá mostrar a necessidade de biópsia prostática transretal. “O exame para a prevenção do câncer de próstata ainda é cercado por muitos medos e tabus. Porém, estamos em uma época em que já não é mais admissível tratar assuntos tão sérios como o câncer com receio e preconceito. Está mais do que provado que a prevenção ainda é a melhor maneira de chegar à cura caso a doença seja detectada no início”, ressaltou Beto Pereira (PDT). O deputado Marquinhos Trad (PMDB) concorda que é necessário a quebra de preconceitos. “Infelizmente alguns exames são necessários. Procure um médico de sua confiança e relembre que é uma realidade que temos que encarar. Não dá para adiar”, destacou. "Atenção para o o Novembro Azul, pois ele lhe dará muitos janeiros", resume o deputado João Grandão. O Inca alerta que ainda não há evidências científicas que somente os exames diminuam o índice de mortes pela doença, mas “o que já está comprovado é que uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais e com menos gordura, principalmente, as de origem animal, ajuda a diminuir o risco de câncer, como também de outras doenças crônicas não-transmissíveis”.

Nesse sentido, outros hábitos saudáveis também são recomendados, como fazer, no mínimo, 30 minutos diários de atividade física, manter o peso adequado à altura, diminuir o consumo de álcool, não fumar e manter os exames em dia, principalmente após os 50 anos, quando a incidência de câncer de próstata aumenta significativamente. Pai ou irmão com câncer de próstata antes dos 60 anos pode aumentar o risco de se ter a doença de três a dez vezes se comparado à população em geral, alerta o Instituto. O tratamento é feito com cirurgia e/ou radioterapia em combinação com tratamento hormonal. Durante o mês de novembro, todos os postos de Saúde de Campo Grande estão com ações em mutirão voltadas à saúde do homem, com exames e palestras gratuitas. Veja a programação clicando aqui.

Jornal Midiamax