Nesta terça-feira (23), Jucélia Barros Rodrigues, servidora de , a 351 quilômetros de , foi presa preventivamente em cumprimento a mandado da Operação Laços Ocultos. Ela estava foragida desde novembro e se apresentou.

Jucélia ainda integra o quadro de servidores de Amambai, conforme o Portal da Transparência do município. Ela recebe salário de R$ 13.131,52 e até março estava na folha de pagamentos da Prefeitura.

No entanto, agora a servidora que ocupava cargo de gerente de contratos foi presa. Ainda na última semana o empresário Jonathan Fraga Lima teve liberdade concedida, após vários recursos da defesa.

O TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) determinou a liberdade com aplicação de medidas cautelares. Com isso, ele terá que comparecer mensalmente em juízo e será monitorado com tornozeleira eletrônica.

Pedido de liminar negado

Em 26 de março, o desembargador Luiz Claudio Bonassini da Silva indeferiu o pedido de liminar para garantia da liberdade do empresário.

A defesa de Jonathan tentou o novo pedido após ter a primeira negativa pelo juiz Daniel Raymundo da Matta, da Vara Criminal de Amambai. O juiz reavaliou as prisões preventivas, já que se passaram mais de três meses da operação.

Assim, o magistrado também analisou o pedido de liberdade feito pela defesa do empresário. Na decisão, o juiz afirma que “a conduta do réu Jhonathan Fraga de Lima é extremamente reprovável, pois com sua esposa, se destacou como um dos principais articuladores do aparente grupo criminoso”.

Ainda conforme o juiz, o casal tinha papel de destaque no grupo criminoso. Por isso, a prisão deve ser mantida para que seja desarticulada a suposta organização criminosa, impedindo novos crimes.

Por fim, na decisão consta que dois réus seguem foragidos, por isso a revogação da prisão preventiva dos outros acusados ainda é prematura.

Pedido de liberdade

Em fevereiro, a defesa de Jonathan entrou com pedido para revisão da necessidade de manutenção da prisão preventiva do empresário.

No pedido, o advogado afirma que Jonathan já está preso há mais de 90 dias e que, desde então, os fatos novos não demonstram necessidade na manutenção da prisão. Após o empresário ser detido, já foi apresentada e recebida a denúncia.

O advogado ainda afirma que não houve indício de risco de fuga ou intenção de atrapalhar a instrução criminal por parte de Jonathan. Com isso, foi feito pedido para revogar a prisão do empresário.

Laços Ocultos

As investigações contra o vereador Valter Brito da Silva (PSDB), de Amambai, indicam que o parlamentar recebeu mais de R$ 5 milhões em propina de empresários. Valter é acusado de comandar um esquema de e fraudes em licitações.

A denúncia foi oferecida em 1º de dezembro de 2023, pelos promotores do Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção), Adriano Lobo Viana de Resende e Humberto Lapa Ferri, além da promotora Nara Mendes dos Santos Fernandes.

Já no dia 6, o juiz Daniel Raymundo da Matta, da Vara Criminal de Amambai, recebeu a denúncia e tornou os 17 investigados réus.

Conforme as investigações, o vereador e também ex-vice-, Valter Brito, é acusado de comandar a organização criminosa. O grupo teria desviado dinheiro público através da criação das empresas fictícias.

Ao todo, 13 empresas são relacionadas a Valter, sendo que todas estão em nome de familiares e pessoas próximas ao parlamentar. Um dos exemplos é a C&C Construtora, que tem como sócio Francisco Maciel da Cruz.

Segundo a denúncia, Francisco é trabalhador braçal de construtoras e não teria condições financeiras para ser proprietário de uma empresa de grande porte. Ele é irmão de criação de Valter e teria sido usado como ‘laranja' no esquema.

Especialmente no ano de 2017, após Valter ingressar no cargo de vice-prefeito, a empresa C&C Construtora conquistou 8 contratos com o Município de Amambai. Destes, quatro foram conduzidos nas modalidades de dispensa de licitação e/ou convite.

Outra servidora denunciada é Jucélia Barros Rodrigues, gerente de contratos da prefeitura. Ela é apontada como uma das maiores beneficiadas, junto com Valter.

Contratos amarrados e propina

Após a Operação Laços Ocultos, com a apreensão dos celulares dos investigados, foi possível identificar conversas entre os acusados. Em vários trechos, eles negociam as licitações, para ‘amarrar' os pregões.

O Gecoc denunciou a ligação entre todas as empresas, incluindo transações bancárias de altos valores entre esses empreendimentos. Em determinado trecho da denúncia, os promotores apontam que Jonathan Fraga de Lima e Letícia de Carvalho, responsáveis pela empresa JFL, pagaram altos valores de propina para Valter.

Em 58 ocasiões, foi pago o total de R$ 708.680,00 e R$ 118.800,00 para Jucélia, como propina. O dinheiro da empresa tinha como principal fonte a prefeitura de Amambai. Só entre setembro de 2019 e dezembro de 2021, a empresa recebeu R$ 11.849.735,18 em contratos.

Por meio de outra empresa, a Transmaq Serviços e Locações Eireli, Jonathan e Letícia chegaram a repassar R$ 4.185.883,77 para Valter, conforme indicam as movimentações bancárias.

A denúncia ainda traz valores repassados de todas as empresas implicadas na denúncia para o vereador. Preso, Valter sequer citou a função parlamentar na .

Quando questionado a respeito de sua ocupação, respondeu: “ah, eu hoje sou, na verdade eu sou prestador de serviços, né. Mas eu não tenho assim, eu sou motorista, trabalho cuidando de obra, é isso que eu faço hoje”, disse.

O vereador se tornou réu pelos crimes de organização criminosa, fraude ao caráter competitivo de licitação pública por 33 vezes, corrupção ativa e corrupção passiva por 7 vezes, além de concurso material de crimes.

Os outros 16 investigados, sendo empresários e familiares de Valter, além da servidora Jucélia, também se tornaram réus.