Os dois servidores presos durante a ‘Operação Telonai’ são funcionários da Prefeitura de Caarapó há décadas. Eles são suspeitos de desviarem mais de R$ 2 milhões de impostos arrecadados pelo município. O prefeito da cidade, André Nezzi (PSDB), acredita que o suposto esquema acontece desde 2009.

Hoje, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate do Crime Organizado) cumpriu cinco mandados de busca e dois de prisão na Prefeitura de Caarapó. Dois servidores foram presos durante a ação.

Conforme o prefeito, ele encaminhou uma denúncia ao Ministério Público e também chegou a registrar um boletim de ocorrência no começo deste ano, após testemunhas relatarem o suposto esquema de corrupção.

Ainda segundo o prefeito, os servidores são concursados. Um trabalha na prefeitura há mais de 20 anos e o outro há mais de 30. Entre os detidos está o vereador Aparecido dos Santos, o Cido Santos (PSDB).

O Chefe do Executivo também disse ao Midiamax que de imediato o servidor que exercia cargo de chefe de sessão do setor foi afastado da função e foi aberto PAD (Processo Administrativo Disciplinar) contra ambos.

Esquema

A princípio, a dupla agia desviando os valores dos impostos de ITBI (Imposto sobre a transmissão de bens imóveis) e IPTU (Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana).

Isso acontecia com pagamentos agendados. Após o agendamento, os servidores davam baixa e era feita emissão de certidão negativa de débitos tributários, sendo incorporado ao patrimônio particular os valores pagos. Os suspeitos teriam feito mais de 4.600 estornos de pagamento.

Com isso, teriam desviado R$ 2.299.575,39. O nome da operação, Telonai, vem da palavra grega para publicano, que era o nome dado ao coletor de impostos do Estado Romano, cargo por vezes exercido com grande arbitrariedade.