A Justiça determinou que o Hospital Adventista do Pênfigo e outras duas empresas arquem com a assistência domiciliar do filho do vereador Beto Avelar (PSD), Roberto de Avelar Júnior. Assim, ordenou cumprimento da sentença e pagamento de R$ 450 mil em acumulada.

Além do Hospital, a RC Gestão Empresarial Ltda e a IOCG – Instituto de Ortopedia de CampoGrande S/S Ltda – EPP são réus no processo. O filho do vereador entrou em coma em 15 de fevereiro de 2022.

Segundo parecer do (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), ele foi ‘vítima de erro por negligência e imperícia”. Roberto Avelar Júnior se internou no Hospital Adventista do Pênfigo para a realização de um procedimento cirúrgico ortopédico.

“Durante a realização da cirurgia, o requerente sofreu parada cardiorrespiratória, todavia não foi socorrido por nenhum dos profissionais presentes na sala de cirurgia”, afirma o MPMS. Conforme a manifestação, haviam duas técnicas de enfermagem, duas enfermeiras e um médico-cirurgião.

Assim, destaca que “neste momento em questão, o médico anestesista não se encontrava na sala, sendo assim, o médico-cirurgião não iniciou as manobras de ressuscitação, pois preferiu esperar o retorno do médico anestesista”.

Processo e pedido de oração

O processo judicial foi aberto após prescrição médica de que o filho de Beto Avelar seguisse o tratamento em casa. Pois estava exposto a diversas bactérias no hospital enquanto permanece em coma.

Contudo, o Hospital negou-se a prestar os serviços de atendimento domiciliar. Assim, foram solicitados dois cumprimentos de sentença. Um em 10 de outubro de 2022, no valor de R$ 150 mil e outro nesta terça-feira (14), correspondente a R$ 300 mil.

Em fevereiro de 2022 o vereador de começou a pedir orações para o filho.Pelas redes sociais, o parlamentar pediu orações e justificou o motivo de não estar atendendo ligações nos últimos dias.

“Meu filho Roberto de Avelar Junior, o Juninho, está hospitalizado, entubado e em coma após complicações decorrentes de uma cirurgia no braço”.

De acordo com o vereador, o estado de saúde do rapaz é ‘crítico e exige cuidados’. “Peço a compreensão a todos por não estar atendendo ligações. Agradecemos e continuamos pedindo orações neste momento tão difícil. O momento de angústia requer fé, respeito e paciência. O Juninho é uma pessoa querida e forte. Deus nunca nos abandona”, reforçou.