A Cesp (Companhia Elétrica de São Paulo) passará por investigação após diversas propriedades rurais terem sido inundadas em Batayporã por conta da abertura de comportas de usina pertencente à empresa.

O MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) abriu inquérito civil para investigar o caso na última segunda-feira (10).

Assim, o inquérito busca investigar a empresa por “possíveis danos ambientais e de ordem coletiva cometidos pela Usina Hidrelétrica Engenheiro Sérgio Motta, após a abertura de suas comportas no município”.

O promotor Murilo Hamati Gonçalves, que assina o documento, considera a necessidade de investigar a ocorrência de danos ambientais (e sua eventual extensão), bem como demais prejuízos ocasionados pela abertura das comportas da usina.

Com isso, a empresa recebeu prazo de dez dias para apresentar informações que entender necessárias.

Além disso, a Prefeitura de Batayporã deverá prestar informações acerca das diligências que já foram realizadas, incluindo aos respectivos relatórios de inspeção realizados pela defesa civil local.

Por fim, o órgão pediu para que a PMA (Polícia Militar Ambiental) realize vistorias nas propriedades rurais afetadas pelos alagamentos, após a abertura das comportas da Usina Hidrelétrica Engenheiro Sérgio Motta, dentre elas Garça, Garça I, Garça II, Vale Verde e Plantal.

A reportagem entrou em contato com a empresa, buscando posicionamento sobre o assunto, mas não obteve resposta. O espaço segue aberto.

Abertura de comportas inundou praias

A abertura de comportas em outra usina pertencente à Cesp, fez com que a água tomasse conta das praias de água doce em Porto Rico (PR) e Rosana (SP), que fica na divisa entre Mato Grosso do Sul e Paraná.

A Cesp realizou a abertura das comportas da Usina Hidrelétrica de Porto Primavera Engenheiro Sérgio Motta, em Rosana, em janeiro deste ano.

De acordo com a Cesp, a abertura das comportas ocorreu na época para regularizar o controle do nível do represamento do Rio Paraná.

Com a abertura das comportas, o Governo do Estado do Paraná reforçou a presença de guarda-vidas na região durante o chamado Verão Maior Paraná.