Inquéritos apuram condições de trabalho em 13 postos de saúde e retenção de macas em Campo Grande

Os procedimentos estão sob cuidados da promotora Daniella Costa da Silva
| 20/06/2022
- 07:25
Investigações miram condições dos postos de saúde na Capital
Investigações miram condições dos postos de saúde na Capital

A 32ª Promotoria de Justiça de Pública de Campo Grande instaurou 13 inquéritos civis para apurar as condições das estruturas e quadro de funcionários de 13 postos de saúde. Os procedimentos estão sob cuidados da promotora Daniella Costa da Silva, conforme divulgado no Diário Oficial do MPMS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul).

As investigações envolvem: USF (Unidade de Saúde da Família), Benedito Martins Gonçalves, localizada no Bairro Oliveira; USF Dra. Jeanne Elizabeth Wanderley Tobaru, no Jardim Botafogo; USF Estrela Dalva, no Taquaral Bosque; USF Dr. Sebastião Luiz Nogueira, Jardim ; USF Dr. Mauro Rogério de Barros Wanderley, no Iracy Coelho; USF Aquino Dias Bezerra, bairro Vida Nova; USF Elias Nasser Neto, no José Abraão; USF Maria Aparecida Pedrossian; USF Jardim Batistão; USF Herbert Rebelo Calado, localizada no Jardim Itália; USF Dr. Judson Tadeu Ribas, no Bairro Moreninha III; USF Manoel Secco Tomé, localizada no Indubrasil; e USF Dr. Nelson Tokuei Simabukuro, localizada no Bairro Aero Rancho IV.

O objetivo é apurar se as referidas unidades possuem estrutura física e tecnológica, recursos humanos, materiais e insumos para atender às necessidades de saúde da população. Os inquéritos foram abertos a partir de reclamações de moradores e por meio de representação do vereador Professor André Luiz (Rede).

Conforme ofício enviado pelo vereador à promotoria, no caso da USF Dr. Elias Nasser Neto, por exemplo, foram encontradas infiltrações, necessidade de manutenção do autoclave e necessidade de melhorar os computadores e a conexão com a internet. Já na USF Nelson Tokuei Simabukuro, havia rachaduras, computadores velhos e ausência de médicos.

Mais investigação na Saúde

Além dos 13 inquéritos, a promotora instaurou mais um inquérito para apurar “possíveis irregularidades na retenção de macas do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) pela Associação Beneficente Santa Casa, Hospital Regional de Mato Grosso do Sul e Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian”.

Veja também

Grupo questionava passaporte sanitário e defendia medicamentos ineficazes contra a doença

Últimas notícias