Vice do STF se abstém e decisão sobre habeas corpus de Reinaldo ‘volta’ para Fachin

Movimento é mais uma derrota no STF para Reinaldo Azambuja, que já tentou tirar o recurso das mãos do relator Edson Fachin de várias formas.
| 21/01/2021
- 18:44
Vice do STF se abstém e decisão sobre habeas corpus de Reinaldo ‘volta’ para Fachin
Ministra e vice-presidente do STF, Rosa Weber | Foto: Nelson Jr. | SCO | STF - Ministra e vice-presidente do STF, Rosa Weber | Foto: Nelson Jr. | SCO | STF

A vice-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Rosa Weber, resolveu esperar Edson Fachin voltar das férias para que ele mesmo decida sobre o habeas corpus impetrado por Reinaldo Azambuja (PSDB). O recurso tenta suspender a Ação Penal 980, no STJ (Superior Tribunal de Justiça), que implica o governador de em corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Após o MPF (Ministério Público Federal) se manifestar pela rejeição do habeas corpus, na última segunda-feira (18), o processo foi distribuído para a vice-presidente. Rosa Weber despacha em regime de plantão, já que o presidente, Luiz Fux, bem como Fachin e outros ministros estão de férias coletivas até o fim do mês.

Mas a magistrada entendeu que o assunto não é urgente a ponto dela precisar interferir e expedir sentença em pleno recesso. Assim, em despacho de ontem (20), determinou a devolução dos autos ao ministro Edson Fachin, relator do habeas corpus.

É mais uma derrota para Reinaldo, que tentou tirar o recurso das mãos de Fachin de todas as formas. As manobras foram sistematicamente negadas pelo presidente do STF, ainda no ano passado.

Fachin, tido como ministro “linha dura” – é ele quem relata os processos da Operação Lava Jato no STF -, já negou o habeas corpus de Reinaldo em caráter liminar. Além da suspensão da Ação Penal 980, o tucano põe em xeque o próprio foro privilegiado a fim de trazer o julgamento para a Justiça Estadual.

STJ já rejeitou recurso de Reinaldo com mesmo pedido feito a Fachin

Pedido idêntico feito em questão de ordem no âmbito do Inquérito 1.190, também do STJ, já foi derrubado pela Corte Especial do tribunal, em novembro passado. O inquérito desdobra a Operação Vostok, da , que por sua vez sustenta a denúncia do MPF que deu origem à Ação Penal 980.

Reinaldo e mais 23 pessoas foram denunciados ao STJ em outubro de 2020. O governador é apontado como chefe de uma organização criminosa e teria recebido R$ 67,7 milhões em propina do grupo JBS, entre 2014 e 2016, por meio da emissão de notas fiscais falsas de venda de carne e gado – os “bois de papel”. Em troca, a JBS foi beneficiada com incentivos fiscais que desfalcaram os cofres do governo do Estado em R$ 209,7 milhões.

A investigação foi desencadeada pelas delações de executivos da JBS, principalmente dos irmãos Joesley e Wesley Batista. A denúncia pede a decretação da perda de cargo público dos envolvidos e a restituição dos valores.

O relator da Ação Penal 980, ministro Félix Fischer, já pediu pauta para julgar Reinaldo Azambuja na Corte Especial. O grupo de 15 ministros é responsável por decidir sobre afastamento de governadores. Por enquanto, corre prazo para manifestação das defesas no processo.

Veja também

'Penduricalhos' da instituição em Mato Grosso do Sul já somavam 12, um dos órgãos com mais verbas do Brasil

Últimas notícias