Política / Transparência

Pregão R$ 1,5 milhão para remédios prevê compra de ivermectina e outros 15 lotes

Nesta semana, concorrência aberta previu, entre os medicamentos, cloroquina

Mayara Bueno Publicado em 06/10/2021, às 09h41 - Atualizado às 10h07

Pregão é para registro de preços
Pregão é para registro de preços - (Foto: Divulgação, Arquivo)

A Prefeitura de Campo Grande abriu novo pregão eletrônico para compra de medicamentos, por R$ 1.587.665,39, segundo edital divulgado no Portal da Transparência. O aviso está no Diário Oficial desta quarta-feira (6) e prevê abertura de propostas em 22 de outubro.

Entre os remédios da tabela, está a previsão de 140.000 caixas de ivermectina, fármaco usado no tratamento de infestações por parasitas, como vermes, mas que começou a ser indicada como prevenção ou tratamento contra Covid-19 — embora sem eficácia comprovada.

No edital, não há especificação sobre qual tipo de doença pode ter a recomendação do medicamento, assim como nos outros lotes, mas a polêmica recai sobre a Ivermectina, uma vez que, além da ineficácia, há investigação sobre o chamado kit covid na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) sobre a pandemia, no Senado.

Na segunda-feira (4), o município abriu pregão de R$ 6,1 milhões para formação de registro de preços — mesmo modelo da abertura de hoje — e, nele, incluiu a cloroquina, outro remédio polêmico na pandemia, por ser comprovadamente sem efeito para coronavírus, mas adotado em tratamentos como doença de lúpus, por exemplo.

De acordo com o edital desta quarta-feira, estão previstos 16 lotes dos fármacos norepinefrina, gliconato de cálcio, cloridrato de amiodarona, diazepam, estolato de eritromicina, espironolactona, solução glicofisiológica, mikania glomerata, hidroxietilamido, mononitrato de isossorbida, itraconazol, levodopa + benserazida em dosagens diferentes, maleato de metilergometrina, além da ivermectina.

O edital na íntegra pode ser conferido clicando aqui.

Jornal Midiamax