Política / Transparência

Nomeada nesta semana, nova coordenadora da Funai em Campo Grande ainda não se apresentou

Nomeação de Tatiana Marques Garcia põe fim a 10 meses de vacância do cargo

Guilherme Cavalcante e Adriel Mattos Publicado em 07/05/2021, às 13h16

None
Foto ilustrativa | Arquivo | Midiamax

O secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Márcio Nunes de Oliveira, nomeou Tatiana Marques Garcia para ocupar o cargo de coordenadora Regional da Funai (Fundação Nacional do Índio) em Campo Grande. A nomeação consta no DOU (Diário Oficial da União) desta quinta-feira (6). Até a manhã desta-sexta-feira (7), no entanto, a nova coordenadora ainda não havia se apresentado à unidade.

A nomeação de Tatiana ocorre quase dez meses após o Coordenadoria do órgão em Campo Grande ficar sem titularidade de chefia. O antecessor era José Magalhães Filho - o Magalhães do Megafone, que foi exonerado do caro em 24 de agosto do ano passado. Desde então, nenhum ato oficial determinou a ocupação do cargo de forma definitiva.

Conforme apurado pela reportagem, a nova coordenadora seria indicação da ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM), que estaria procedendo com articulação para troca de cargos federais em Mato Grosso do Sul. O Jornal Midiamax também apurou que há grande possibilidade de mudanças em outras coordenadorias da Funai no Estado ao longo deste mês.

A reportagem acionou a assessoria da Funai, em Brasília (DF), acerca do currículo da nova coordenadora. Até a publicação desta matéria, não houve resposta.

Nomeações polêmicas

Desde o governo do ex-presidente Michel Temer (MDB), a Coordenadoria Regional da Funai em Campo Grande tem contado com nomeações polêmicas. A mais recente foi a indicação de Magalhães, que seria aliado político da senadora Soraya Thronicke (PSL-MS).

Magalhães ingressou no quadro da Funai em fevereiro de 2020, mas ficou três meses afastado do cargo, após decisão do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) que deferiu pedido do Conselho Terena. Magalhães retornou ao cargo após a AGU (Advocacia-Geral da União) obter liminar, mas foi exonerado em menos de uma semana.

Vale lembrar que, desde março de 2019, a Funai estava sob o comando do pastor terena Henrique Dias, que é amigo da ministra Damares Alves.

Jornal Midiamax