Política / Transparência

MPMS vai investigar se prefeito de Ivinhema descumpriu próprio decreto contra a covid-19

Juliano Ferro (DEM) foi alvo de denúncia por suposta aglomeração em chácara na zona rural do município

Jones Mário Publicado em 25/05/2021, às 14h29

Prefeito de Ivinhema Juliano Ferro (DEM) durante agenda do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em Terenos
Prefeito de Ivinhema Juliano Ferro (DEM) durante agenda do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em Terenos - Reprodução/Facebook

A 2ª Promotoria de Justiça de Ivinhema instaurou inquérito civil a fim de investigar se o prefeito Juliano Ferro (DEM) descumpriu o próprio decreto com medidas de prevenção ao contágio pela covid-19. O gestor foi alvo de denúncia por promover aglomeração no último dia 15.

Segundo relatos de policiais militares ao MPMS (Ministério Público Estadual), uma denúncia levou agentes da força de segurança até chácara na zona rural de Ivinhema. Juliano Barros Donato, mais conhecido como Juliano Ferro, se apresentou como dono do local e informou que recebeu amigos para mostrar a propriedade.

Nenhum boletim de ocorrência ou auto de infração foi lavrado. Segundo os policiais militares, porque avistaram apenas três carros na chácara e não constataram a aglomeração denunciada.

O decreto municipal vigente até hoje (25) é o 396/2021, que proíbe festas e comemorações, eventos culturais e esportivos, feiras livres e outros tipos de reuniões. A desobediência está sujeita a multa e responsabilização criminal.

O edital que tornou pública a instauração do inquérito para investigar a conduta do prefeito foi publicado nesta terça-feira (25), assinado pelo promotor de Justiça Allan Thiago Barbosa Arakaki.

No início do ano, em janeiro, o prefeito Juliano Ferro teve covid-19 e chegou a ser hospitalizado. Dias antes, o gestor perdeu o pai para a doença e fez um desabafo emocionado em transmissão ao vivo, quando criticou a realização de festas e aglomerações em Ivinhema.

Jornal Midiamax