Política / Transparência

Enquanto prepara PPP da InfoVia Digital, governo de MS quer digitalizar processos

O governo de Mato Grosso do Sul pretende lançar até maio licitação para criar uma plataforma de serviços digitais para eliminar a médio prazo o uso de papel. O objetivo é colocar o serviço em operação a partir do segundo semestre. Em outra frente, a administração estadual segue os estudos da PPP (parceria público-privada) da […]

Adriel Mattos Publicado em 07/02/2021, às 11h04 - Atualizado às 11h08

Foto: Divulgação, Subcom-MS
Foto: Divulgação, Subcom-MS - Foto: Divulgação, Subcom-MS

O governo de Mato Grosso do Sul pretende lançar até maio licitação para criar uma plataforma de serviços digitais para eliminar a médio prazo o uso de papel. O objetivo é colocar o serviço em operação a partir do segundo semestre.

Em outra frente, a administração estadual segue os estudos da PPP (parceria público-privada) da InfoVia Digital. Dessa forma, a ideia é levar fibra ótica e Internet rápida para os 79 municípios.

No prazo de dois anos, todos os processos administrativos do Estado serão digitais. Os procedimentos físicos vão continuar no mesmo formato, mas os novos vão ser digitalizados.

A empresa que vencer a licitação terá dois anos de contrato. A Segov (Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica) vai dar suporte e conduzir as plataformas. Ainda não há previsão de custo do projeto.

“Terceirização”

Em novembro de 2020, o Jornal Midiamax noticiou a pretensão do governo em fazer a concessão da rede digital. A PPP deve ser lançada até julho deste ano.

O objetivo do governo é destinar às empresas privadas o serviço de cabeamento de fibra ótica interligando todos os 79 municípios de Mato Grosso do Sul. São 1,5 mil unidades administrativas e agências em todas as regiões do estado que serão conectadas em até dois anos após a assinatura do contrato.

O relatório do projeto que o Jornal Midiamax teve acesso aponta que o valor previsto para investimentos e despesas operacionais que a empresa vencedora deverá fazer é de R$ 243 milhões.

Atualmente, o Estado mantém contratos com diversas operadoras, inclusive via rádio para disponibilizar o serviço em todas as suas unidades pelo estado.

Jornal Midiamax