Política / Transparência

Cunhado de Marcelo Iunes é nomeado como diretor na Seinfra-MS

Fernando Pedroso de Barros foi nomeado como diretor executivo

Renata Volpe Publicado em 26/07/2021, às 09h30

Fernando Pedroso de Barros foi nomeado na Seinfra
Fernando Pedroso de Barros foi nomeado na Seinfra - Divulgação

O cunhado do prefeito de Corumbá, Marcelo Iunes (PSDB), Fernando Pedroso de Barros, foi nomeado como diretor executivo na Seinfra (Secretaria Estadual de Infraestrutura), de acordo com publicação no Diário Oficial do Estado, desta segunda-feira (26).

Fernando foi nomeado para exercer o cargo em comissão de Direção Executiva Superior e Assessoramento, símbolo DCA-6, na Secretaria de Estado de Infraestrutura, e desempenhar suas funções na Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) no município de Corumbá.

A nomeação de Fernando é assinada pelo Secretário Adjunto de Estado de Governo e Gestão Estratégica, Flávio César Mendes de Oliveira. 

Barros trabalhava na prefeitura de Corumbá quando teve que ser exonerado pelo cunhado, em novembro de 2019. Na época, após o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) pedir a exoneração de um dos cunhados do prefeito, o chefe do Executivo local se antecipou e exonerou outro cunhado que foi nomeado na prefeitura para exercer cargos de caráter técnico, o que configura nepotismo.

Jefferson Telles Moreira foi nomeado assessor especial com salário mensal de R$ 7.420 pelo irmão de sua esposa, o prefeito Marcelo Iunes. A situação foi denunciada ao MP, que abriu inquérito para investigar a situação.

Depois de seis meses de apuração, foi emitida uma recomendação, ato administrativo que precede e visa evitar a entrada na Justiça, pedindo a exoneração de Jefferson. O ato foi publicado no Diário Oficial do MPMS de 25 de outubro de 2019 e atendido logo no dia 31, conforme publicado no Diário Oficial de Corumbá.

Contudo, o pedido referente apenas a Jefferson atingiu também outro cunhado de Marcelo Iunes. Fernando Pedroso de Barros que exercia o cargo de assessor-executivo III e também recebia mensalmente R$ 7.420. Na recomendação, não existe pedido de ressarcimento dos valores recebidos pelos nomeados no decorrer dos meses.

Jornal Midiamax