Política / Transparência

Preço de duas viaturas da PM: Detran-MS paga R$ 270 mil por uma SUV de luxo

O Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito) adquiriu junto à Toyota do Brasil Ltda um veículo do tipo SUV 4×4 com motor à diesel pelo valor de R$ 270 mil, conforme extrato do contrato 13709/2020, publicado no DOE (Diário Oficial do Estado) da última segunda-feira (14). A descrição do veículo e o preço da aquisição são […]

Guilherme Cavalcante Publicado em 14/07/2020, às 15h15 - Atualizado em 15/07/2020, às 11h21

Modelo adquirido pelo Detran-MS por R$ 270 mil é compatível com a Toyota Hilux SW4 SRX | Foto: Divulgação | Toyota
Modelo adquirido pelo Detran-MS por R$ 270 mil é compatível com a Toyota Hilux SW4 SRX | Foto: Divulgação | Toyota - Modelo adquirido pelo Detran-MS por R$ 270 mil é compatível com a Toyota Hilux SW4 SRX | Foto: Divulgação | Toyota

O Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito) adquiriu junto à Toyota do Brasil Ltda um veículo do tipo SUV 4×4 com motor à diesel pelo valor de R$ 270 mil, conforme extrato do contrato 13709/2020, publicado no DOE (Diário Oficial do Estado) da última segunda-feira (14).

A descrição do veículo e o preço da aquisição são compatíveis com um dos modelos da Toyota SW4 SRX, de 5 ou 7 lugares, cujos preços podem variar de R$ 276 mil a R$ 282 mil. São veículos considerados de luxo, equipados com computador de bordo com tela de 4,2 polegadas, abertura elétrica de porta-malas, volante com comandos integrados, tais como telefone, áudio, vídeo e computador de bordo.

O modelo também tem ar-condicionado com display digital e regulagem de intensidade independente para as saídas de ar dos bancos traseiros e os bancos dianteiros possuem ajuste elétrico de distância, inclinação e altura

O contrato foi assinado em 30 de junho, pelo diretor-presidente do Detran-MS, Rudel Espíndola Trindade Junior, e por Paulo Alexandre Antunes Mesquita, consultor de vendas governamentais da Toyota Brasil Ltda. Os recursos para pagamento são próprios Detran-MS e a vigência do contrato é de 12 meses.

Em janeiro deste ano, a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) adquiriu 7 viaturas policiais com especificação semelhante – pickpus zero km da marca Mitshubishi com cabine dupla, tração 4×4, motor a diesel, potência de 180 cavalos, transmissão automática, direção hidráulica ou elétrica, quatro portas, com ar condicionado e demais acessórios, ao custo de R$ 979.300,00 – cerca de R$ 140 mil reais por viatura.

Para se ter uma ideia, uma ambulância da marca Mercedez-Benz no modelo mais avançado e utilizado para transporte de urgência de pacientes pelo SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) custa em torno de R$ 180 mil. O veículo adquirido pelo Detran-MS, para fins não detalhados no contrato, excede esse valor em R$ 90 mil.

Locomoção da presidência e diretoria

A reportagem solicitou ao Detran-MS detalhamento sobre a utilização do veículo. Em nota, a assessoria do órgão destacou que ele será utilizado para fins institucionais, a ser utilizado diretamente pelo Presidente, Diretores e Chefes de Divisão do órgão.

Segundo a nota, o uso do veículo está disciplinado no Decreto Estadual nº 13.826 de 3 de dezembro de 2013 e no Artigo 22 da Lei Federal 9.503 de 23 de setembro de 1997, “tendentes a fiscalização e execução de políticas de trânsito junto as 84 Agências de Trânsito do interior e da Capital do Estado de Mato Grosso do Sul, tendo um veículo preparado para quaisquer situações às quais forem demandadas, sendo o veículo robusto e que apresenta o nível de conforto adequado a enfrentar viagens de longa distância”, traz nota.

O Detran-MS ainda pontuou que, atualmente, o departamento possui somente um veículo semelhante, uma Hilux SW4 do ano de 2005, movido à gasolina. “No decorrer do ano de 2019, o citado veículo teve uma autonomia de 6 km/L, sendo que o preço da Gasolina gira em torno de R$ 4,57 , segundo o consulta no sítio Eletrônico da ANP. Sem contar o gasto com manutenção que diminuirá a médio e longo prazo pela renovação da frota, a qual não ocorrendo ocasionará o aumento de despesas”, pontuou a assessoria.

Por fim, o órgão descreve que a aquisição do veículo, além de renovar a frota para viagens de longo trajeto, “proporcionará sua padronização, bem como trará uma economia visível a médio e longo prazo, uma vez que os veículos virão cobertos com garantia de no mínimo 3 anos, economizando aos cofres públicos valores que seriam destinados à manutenção veicular”.

Jornal Midiamax