Gerson Claro foi preso no final de agosto

O ex-diretor do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito), Gerson Claro, chegou há pouco na sede do Gaeco (Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado) onde prestará depoimento. Esta é a primeira vez que Claro depõe em processo criminal.

Claro é o segundo alvo da Operação Antivírus, que apura contratos supostamente fraudulentos entre o Detran-MS e empresas de tecnologia, a depor nesta segunda-feira (11). Mais cedo, o diretor de administração interna do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado), Parajara Moraes Alves Júnior, também prestou esclarecimentos ao grupo.

O ex-diretor do departamento de trânsito chegou no prédio em um veículo BMW acompanhado do advogado André Borges. Ao Jornal Midiamax, Gerson disse ter feito gestão eficiente no Detran e que “não tenho nada a esconder”. Ele também se mostrou disponível a apresentar documentos caso for solicitado.

Operação

​A Antivírus tem como alvo desarticular suposto esquema que envolvia contratos entre o departamento e empresas de informática. Ao todo, foram nove mandados de prisão preventiva, três de prisão temporária e 29 de busca e apreensão.

Depois de prisão e exoneração, ex-diretor do Detran-MS depõe ao Gaeco

Três dias após a ação, Claro e mais cinco integrantes do primeiro escalão do Detran-MS pediram exoneração dos cargos. Atualmente, quem comanda o departamento é o político Roberto Hashioka (PSDB).