Servidor pediu exoneração

O Conselho Superior do MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) arquivou nesta terça-feira (1º) o Procedimento Preparatório nº 06.2017.00000476-2, que investigava o descumprimento da jornada de trabalho de Dácio Correa.

O então diretor do Centro de Múltiplo Uso Picolé, em foi flagrado viajando dois dias após a sua nomeação. A investigação era conduzida pela 30ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social da comarca de Campo Grande e não constatou irregularidades na viagem.

À época, o colunista social pediu exoneração do cargo. Na carta em que comunicava sua demissão, ele afirma que viajou ao Rio de Janeiro de ‘maneira repentina', pois havia recebido comunicação da Rio-Tur sobre a necessidade de credenciamento pessoal e intransferível.

Por telefone, ele havia dito à reportagem que estava em Campo Grande. No dia seguinte pela manhã, contudo, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) disse ter ligado para Dácio e pedido a ele que retornasse à Capital. À tarde, Dácio foi ao gabinete do prefeito e pediu afastamento. A reportagem quis conversar com o colunista, mas ele mandou avisar pela assessoria que nada ia comentar.

Dácio Corrêa disputou a eleição para vereador no ano passado pelo PT do B, sigla partidária aliada do prefeito Marquinhos Trad, do PSD. Ele teve apenas 122 votos.