Dados sigilosos de investigação ainda em andamento já estariam correndo entre investigados. Ao menos, é o que alvo sem foro por prerrogativa de função tem espalhado em reuniões reservadas em Campo Grande.

Assim, segundo as bravatas, enquanto outros ainda estariam no aguardo do caminho oficial, sujeito teria cortado caminho. O acesso a gabinete onde jura manter grande influência teria assegurado suposto vazamento de informações para tranquilizar o falastrão.

No entanto, o que ele não sabe, é que o principal dos dados sigilosos segue a salvo, longe das gavetas e computadores já acostumados à rotina de sujeição e blindagem favorável aos poderosos em Mato Grosso do Sul.

Chefes de baixa confiabilidade nem acessam dados sigilosos em MS

Após inúmeros episódios de vazamentos seletivos que já teriam comprometido muito trabalho de gente séria, dizem que chefes de órgão em Mato Grosso do Sul já não têm mais os acessos ilimitados que se acostumaram a ter sobre investigações.

Colegas mais espertos e escaldados passaram a adotar inúmeras táticas para preservar informações sensíveis e usam até pegadinhas. Assim, liberam supostos dados sigilosos e monitoram o caminhos dos vazamentos. As rotas partem do topo, e não mudam.

Enquanto isso, até entre as defesas dos investigados, mais surpresas nos próximos meses já são consideradas como certas. É que tem gente batendo o pé para trabalhar porque não quer se tornar alvo de vexame em ‘conselhão’.

Sabe de algo que o público precisa saber? Fala pro Midiamax!

Se você está por dentro de alguma informação que acha importante o público saber, fale com jornalistas do Jornal Midiamax!

E você pode ficar tranquilo, porque nós garantimos total sigilo da fonte, conforme a Constituição Brasileira.

Fala Povo: O leitor pode falar direto no WhatsApp do Jornal Midiamax pelo número (67) 99207-4330. O canal de comunicação serve para os leitores falarem com os jornalistas. Se preferir, você também pode falar com o Jornal direto no Messenger do Facebook.