Política / Pimenta

Pandora Papers registram rastros que poderiam ligar nelore e cana com lavagem de dinheiro em MS

Indícios revelados com pandora papers seriam de que esquema usa agronegócio para esquentar dinheiro de sul-mato-grossenses via Paraguai

Da Redação Publicado em 04/10/2021, às 09h00

Pandora Papers são documentos vazados que revelam rotas até contas e offshores em paraísos fiscais
Pandora Papers são documentos vazados que revelam rotas até contas e offshores em paraísos fiscais - (Ilustração sobre reprodução, Web)

Pandora Papers é o vazamento de dados mais devastador para os paraísos fiscais onde poderosos, como megaempresários, artistas e esportistas milionários, além de criminosos, como traficantes ou políticos corruptos, escondem fortunas.

Em Mato Grosso do Sul, os rastros de alguns nomes vazados levariam até Assunção, com contratos entre empresas do agronegócio brasileiras e paraguaias.

Segundo analistas de inteligência financeira que já tiveram acesso aos nomes latino-americanos listados nos Pandora Papers, esquemas de lavagem de dinheiro considerados pequenos, perto das fortunas movimentadas nas offshores expostas, teriam raízes em terras e empreendimentos sul-mato-grossenses.

Pandora Papers apontaria velhas rotas da fronteira

As rotas refazem trajeto já conhecido do crime organizado na região de fronteira, mas teria anuência das autoridades com tudo 'de papel passado'. As informações vazadas com Pandora Papers revelam não só como os poderosos guardam suas fortunas, mas também laços estreitos entre poder e atividades ilícitas.

Entre os operadores, estariam prodigiosos empresários que, apesar do pouco tino comercial e empreendedor, se destacam no faturamento em Mato Grosso do Sul. Os mesmos, inclusive, teriam laços com grupos políticos ou com atividades ilícitas.

As atividades sequer teriam condições de lastrear os volumes movimentados. Se tudo que supostamente se movimenta nessas contas fosse real, dizem que faltaria pasto para colocar todo nelore, ou fazenda para plantar toda cana-de-açucar comercializada...

Sabendo de algo que MS precisa saber? Conta pro Midiamax!

Se você está por dentro de alguma informação que acha importante o público saber, fale com jornalistas do Jornal Midiamax!

Fala Povo: O leitor pode falar direto no WhatsApp do Jornal Midiamax pelo número (67) 99207-4330. O canal de comunicação serve para os leitores falarem com os jornalistas. Se preferir, você também pode falar com o Jornal direto no Messenger do Facebook.

Você pode enviar flagrantes inusitados, denúncias, reclamações e sugestões com total sigilo garantido pela lei.

Jornal Midiamax