Para negar denúncia, envolvido apresentou abate de mais de 5 mil bois

Remonta

Na sessão de ontem, terça-feira (23), da Câmara de Campo Grande, o vereador Odilon Júnior (PDT) criticou as delações premiados no âmbito da Operação Lava Jato, que para ele estão sendo ‘banalizadas’.

Começo

“Isso começou com Judas, que entregou Jesus e recebeu moedas de prata”, disse Odilon, afirmando que ao invés das moedas, os irmãos Joesley e Wesley Batista receberam um jatinho (para deixar o país) e milhões de dólares.

Medo

Ainda na defesa de Reinaldo, o vereador João Cesar Mattogrosso (PSDB) também usou a palavra para dizer que ele os todos os colegas devem ‘temer’ possíveis delações que lhes envolvam.

Mancha

“Depois que você mancha o nome de uma pessoal limpa e com moral, vocês não tem noção da dor”, disse o tucano.

Explicação

Ao ir à Assembleia para apresentar sua defesa das denúncias feitas por Wesley, o governador chegou por local reservado e deixou a imprensa esperando. Saiu sem ser visto. Adotou o mesmo procedimento no TJ.

Passou

Também implicado na delação, o deputado Zé Teixeira (DEM) disse que não vai processar o Grupo JBS, já que teria que ir até Nova York atrás dos irmãos Batista. “Sou um grão de areia perante essa máfia”, disparou.

Flash

Para o líder da bancada do PSDB na Assembleia, deputado Beto Pereira (PSDB), cada denúncia ‘é um flash’, o que gera mudanças constantes no cenário das denúncias.

Defesa

Ao se defender perante amigos das denúncias da JBS, outro produtor rural do Estado revelou que negociou ‘mais de 5 mil cabeças de gado’ com frigoríficos do Estado, incluindo o Friboi.

Cisco

Teve secretário que derramou lágrimas ao ver a emoção do chefe, o governador Reinaldo Azambuja, durante a coletiva na qual refutou as denúncias de Wesley.

Citação

Responsável por iniciar a defesa do governador na Câmara, o vereador Delegado Wellington terminou seu discurso citando uma frase de Buda, pedindo ‘análise e muita observação’ dos colegas.