O cenário de corrupção exposto pela Operação Tromper na Prefeitura de Sidrolândia, a 70 km de Campo Grande, virou alvo de críticas de vereadores sobre a gestão da chefe do executivo, Vanda Camilo (PP), e cogitam abrir uma comissão processante contra a prefeita. 

O genro de Vanda Camilo, vereador Claudinho Serra (PSDB), foi preso em Campo Grande, na última quarta-feira (3), por suspeitas de ser o mentor do esquema de corrupção que fraudava licitações na época em que era secretário de Fazenda do município. 

Vereador de Sidrolândia, Enelvo Junior (PSDB) criticou a gestão atual e mencionou que esta não seria a primeira vez que o Município é exposto em esquemas de corrupção. “É revoltante ver o Gaeco, mais uma vez, em Sidrolândia. É a terceira vez que isso acontece, e sempre com o mesmo enredo: secretários e funcionários da prefeitura sendo presos por suspeita de corrupção”, afirma. 

O parlamentar também falou sobre a necessidade de afastar Vanda do cargo à frente da prefeitura diante do abandono que o município estaria enfrentando com a falta de infraestrutura em diversas áreas. 

“Nossa cidade está abandonada e a nossa população está padecendo. Faltam remédios, materiais didáticos, ventiladores nas salas de aula. Enfim, o básico não está sendo garantido aos cidadãos que pagam seus impostos. Acredito que somente através da instauração de uma comissão processante será possível investigar minuciosamente as acusações e garantir a responsabilização dos envolvidos”, defende

Além disso, o parlamentar também mencionou que outras irregularidades sobre a gestão já foram denunciadas. “No ano passado abrimos a CPI, foram constatadas ilegalidades e encaminhamos ao Ministério Público Estadual para que as medidas judiciais fossem tomadas”, frisou. 

A necessidade de instauração de uma comissão processante é compartilhada também pelo vereador José Ademir Gabardo (PSDB). O parlamentar critica a atual gestora do município, especialmente devido ao abandono de algumas regiões de Sidrolândia. 

“Ela [Vania] é uma prefeita de festas e faz monumentos, então é isso que é o forte dela, festa e fazer monumentos e redes sociais, então esse aí é o forte dela. Como eu falei anteriormente, ela deixa a desejar nas estradas, porque nós temos 27 assentamentos, não está cuidado, só cuidou na campanha e depois abandonou”, afirma.

O que diz a Prefeita?

O Midiamax entrou em contato com a Prefeita Vanda Camilo sobre a possibilidade de instauração de uma comissão processante e aguarda resposta. O espaço continua aberto para manifestações.

Genro mentor de esquema de corrupção

A terceira fase da Operação Tromper levou à prisão preventiva de oito pessoas e cumprimento de mandados de busca e apreensão em 28 endereços, na quarta-feira (3), inclusive na casa do vereador Claudinho Serra (PSDB). O parlamentar, que foi preso, é acusado de ser o mentor do esquema de fraudes na Prefeitura de Sidrolândia, município a 70 km de Campo Grande.

Um ex-assessor de Claudinho, Tiago Alves, também foi preso preventivamente. Ex-candidato a vereador de Sidrolândia e empresário, Ueverton Macedo, conhecido como Ueverton Frescura, também foi alvo de prisão.

O suposto esquema de corrupção na Prefeitura de Sidrolândia envolvia uso de empresas de “fachada”, fraude a licitações e desvio de dinheiro público mediante a não prestação do serviço ou não entrega do produto. Ainda ficou demonstrada a corrupção de servidores públicos municipais para a execução do esquema criminoso.

Confira lista: além de vereador do PSDB em Campo Grande, mais 7 foram presos pelo Gecoc

Segundo o PIC (Procedimento de Investigação Criminal) elaborado pelo Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção), Claudinho Serra foi apontado como mentor e responsável pela articulação dos esquemas de fraudes na Prefeitura Municipal de Sidrolândia. O vereador é genro da prefeita Vanda Camilo (PP) e chegou a ser titular da Sefat (Secretaria de Fazenda), pasta que foi usada como ferramenta para o esquema criminoso.

Fale com o Midiamax

Tem alguma denúncia, flagrante, reclamação ou sugestão de pauta para o Jornal Midiamax? Envie direto para nossos jornalistas pelo WhatsApp (67) 99207-4330. O anonimato é garantido por lei.

Acompanhe nossas atualizações no Facebook, Instagram e Tiktok.