Nesta quarta-feira (29) a ex-deputada estadual Dione Marly Gandolfo Hashioka se demitiu oficialmente do cargo de secretária adjunta da SED (Secretaria de Estado de Educação), de Mato Grosso do Sul, para disputar as eleições de 2024 em Nova Andradina, município distante a 298 quilômetros de Campo Grande.

O anúncio foi feito no final da tarde nas redes sociais. Na publicação, Dione agradeceu pela confiança depositada, pelo otimismo e desafios enquanto este à frente da secretaria como adjunta do titular Hélio Daher.

“Com o coração cheio de vontade de mudar os rumos desta cidade que há 43 anos me acolheu, tenho encontrado, nos quatro cantos de Nova Andradina, manifestações favoráveis de apoio, somadas ao carinho e receptividade da população, confirmando o que a razão e o grande desejo de servir me sinalizam”, disse em nota.

“Sobre o desejo de ser a primeira mulher à frente do Executivo Municipal, destaco a grande vontade que carrego em representar o nova-andradinense nas políticas públicas que necessita. E estes desafios são enormes, porém, proporcionais ao grande desejo do meu coração”, completou.

No último domingo, Dione já havia adiantado ao Midiamax, que em breve, deixaria o cargo de secretária adjunta da SED (Secretaria de Estado de Educação), de Mato Grosso do Sul, para disputar as eleições de 2024.

Dione foi nomeada ao cargo em março de 2024. Conforme a publicação do Diário Oficial do Estado, a ex- deputada foi nomeada ao cargo comissionado de administração superior e assessoramento, símbolo CCA-00, na função de secretária adjunta. O cargo tem vencimentos de R$ 33.689,16.

A nomeação foi assinada pelo governador de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel (PSDB). Desde quando foi nomeada, Dione já era cotada para disputar a Prefeitura de Nova Andradina, cidade de onde ela e o marido, deputado Roberto Hashioka (União Brasil), são.

Roberto Hashioka chegou a ser prefeito no município por três mandados. Dione foi deputada estadual em 2006, no primeiro mandato, e assumiu a presidência da Comissão de Saúde.

Depois, foi reeleita em 2010, iniciando o mandato no cargo de 2ª vice-presidente da Casa de Leis.