Dois dias após convocar Lívio Leite, do União Brasil, para ocupar a vaga de Claudinho Serra, do PSDB, na Câmara de Campo Grande, o presidente Carlão (PSB) admitiu nesta quinta-feira (16) que decidiu convocar Lívio Leite antes mesmo da resposta do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral) sobre quem seria o suplente imediato para a vaga tucana.

Desde que Claudinho Serra – que ficou 23 dias na cadeia após ser apontado pela Operação Tromper como chefe em esquema de corrupção – apresentou atestado médico de 30 dias, no fim de abril, a Câmara é pressionada a convocar suplente, mesmo que não haja obrigação no regimento da Casa.

Desde então, sempre quando questionado, o presidente Carlão afirmou que esperava resposta do TRE-MS sobre quem seria o suplente com direito a vaga, visto que impasse envolvendo saída de suplentes do PSDB deixou a questão indefinida.

Na última terça-feira (14), ao ser questionado pelo Midiamax se havia recebido resposta do TRE, Carlão não negou e emendou que Lívio Leite apresentou diploma de 3º suplente e, por isso, foi convocado. Nesta quinta, no entanto, depois da Justiça Eleitoral suspender a posse em medida liminar, o presidente da Câmara se explicou.

Carlão admitiu que a Justiça Eleitoral não havia respondido ofício da Câmara sobre quem era o suplente imediato para ocupar a vaga de Claudinho Serra. O vereador afirma que tomou a decisão de convocar Lívio porque “não posso ficar parado”.

“Acabei de falar com desembargador Paschoal Leandro que me informe realmente quem é o suplente. Não me informando, eu vou convocar o quarto. Não posso ficar parado”, disparou.

O presidente da Casa de Leis também detalhou que Gian Sandim, 8º suplente do PSDB e que ingressou com pedido judicial para suspender a posse de Lívio, disse a Carlão que o TRE-MS não responderia a Câmara. “Então ele está sabendo mais que todo mundo”, disse o presidente da Câmara.

Carlão afirma que a definição sobre nova convocação de suplente deve acontecer até esta sexta-feira (17), já que o objetivo é que na sessão da próxima terça-feira (21) haja 29 vereadores no plenário.

8º suplente consegue suspender posse

mandado de segurança ajuizado por Gian Sandim, 8º colocado com 1.227 mil votos na suplência tucana das eleições de 2020, conseguiu suspender a posse de Lívio Leite, até então o detentor da vaga de Claudinho. A posse aconteceria nesta quinta-feira (16), mas com a suspensão da Justiça Eleitoral, foi cancelada.

Todo o imbróglio ao redor da substituição de Claudinho Serra é antigo porque ele também era suplente. Dois vereadores eleitos pelo PSDB, João Cesar Mattogrosso e João Rocha, se licenciaram dos cargos em 2021 e 2023 para assumir as secretarias de Cultura e Governo, respectivamente, da Prefeitura de Campo Grande.

Com isso, os suplentes diretos, Ademir Santana e Claudinho Serra, todos tucanos, foram convocados e tomaram posse na Câmara.

Diante disso, os próximos da fila em caso de uma nova saída de vereador do PSDB seriam, na ordem: Lívio Leite, Elias Longo Junior, Wellington de Oliveira, Antonio Ferreira da Cruz Filho, Cida Amaral e, em 8º lugar na suplência, Gian Sandim.

Ocorre que a maioria dos suplentes deixou o PSDB desde a eleição de 2020, com exceção de Gian, que permanece no ninho tucano. Wellington de Oliveira, que estaria a frente de Gian na ordem da suplência, também permanece no PSDB.

Lívio Leite, contudo, sustenta que migrou do PSDB para o União Brasil na janela partidária, período em que políticos podem, segundo a legislação eleitoral, deixar o partido sem perder o mandato.